Novidades / Notícias

DENTES SENSÍVEIS: HÁBITOS PARA SEREM EVITADOS

22/01/2019

Muitos costumes que parecem inofensivos acabam aumentando ainda mais o desgaste, para aquelas pessoas que possuem sensibilidade, precisam ser evitados. Por isso reunimos os piores hábitos para quem tem dentes sensíveis, confira!

 Fazer a escovação com muita força e utilizando escova muito dura, priorize escovas de cerdas macias;

 Usar enxagues bucais que contenham álcool em sua fórmula;

 Usar os dentes para abrir ou morder objetos;

 Mastigar os alimentos utilizando sempre o mesmo lado, veja com seu dentista como está sua mordida;

 Ranger os dentes ao dormir (pode estar com bruxismo);

 Consumir alimentos muito quentes ou gelados;

 Consumir alimentos ácidos: refrigerantes, frutas cítricas (laranja, limão), vinhos, entre outros.

 

Melhorias nas condições dentárias na terceira idade

18/01/2019

De acordo com dados do IBGE, 16 milhões de brasileiros não têm nenhum dente (o que corresponde a 11% da população). Entre as pessoas com 60 anos ou mais, esse número é ainda mais alarmante: 41,5% dos idosos já perderam todos os dentes. E grande parte dessas pessoas convive com o tabu que é falar sobre as condições do envelhecer.

Sobre essa realidade, uma pesquisa realizada pela Corega, entrevistou mais de 600 pessoas entre 40 e 75 anos de países como Brasil, México, Colômbia e Argentina. Os resultados apontam que a perda dentária é capaz de afetar até mesmo os relacionamentos interpessoais dos pacientes.

Para 43% dos entrevistados, passar por uma perda traumática de dentes afetou os seus relacionamentos mais íntimos. E 46% deles responderam que passaram a se sentir menos atraentes após perder os dentes. Outras características como qualidade de vida (42%), rotina diária ativa e saudável (32%) e até mesmo sorrir ou comer em público (54%) foram apontadas como problemas de autoestima.

A perda dentária é apontada como a segunda principal questão relacionada ao envelhecimento. Apenas a dor de cabeça supera a falta de dente no ranking de questões relacionadas ao envelhecimento do brasileiro.

A mastigação ineficaz impede boa absorção dos nutrientes da dieta, função muito importante para fortalecer a saúde dos idosos. Os médicos orientam o idoso manter uma dieta balanceada, consumir muitas fibras, mas se os dentes, ou a prótese, não estão bem, a pessoa não consegue seguir essas orientações.

NA TERCEIRA IDADE PODEMOS REALIZAR TODOS OS PROCEDIMENTOS DENTÁRIOS?

Essa pergunta é comum nos consultórios dentários principalmente em casos de cirurgia para implante.
A reposta é sim. Desde que controlado e liberado pelo médico, todos os procedimentos podem ser realizados.

Atualmente, são inúmeras as alternativas para melhorar as condições mastigatórias e a qualidade de vida. Existem, desde as dentaduras convencionais (removíveis) até as próteses fixas sobre implantes (é uma prótese total fixa instalada sobre quatro ou mais implantes, pode ser utilizada tanto na arcada superior, como na inferior. Está indicada, principalmente, para pessoas com dentaduras muito frouxas ou que não se adaptaram às mesmas).
Em cada fase da vida temos problemas e necessidades diferentes.

A saúde bucal do idoso demanda um cuidado especial pela abordagem multidisciplinar do caso. Porém, não se deve ter medo ou conviver com dificuldades na mastigação.
Se esse for o seu caso, procure aumentar sua qualidade de vida, com um trabalho dentário de qualidade.

Fonte: Huffpost Brasil

 

Condições dentárias e a terceira idade - vídeo

06/01/2019

Você sabia que apenas a dor de cabeça supera a falta de dente no ranking de questões relacionadas ao envelhecimento do brasileiro.
Assista ao vídeo e saiba mais detalhes.

 

7 dicas para uma escovação melhor!

04/01/2019

1 – A hora certa: o hábito de escovar os dentes deve ocorrer sempre após a ingestão de alimentos. Isso nem sempre é possível, por isso a indicação é de escová-los pelo menos antes de dormir e logo ao acordar é extremamente importante.

2 – A escolha da escova: essa escolha é tão importante quanto a quantidade de vezes que se escova. Invista em uma escova macia, que deslize facilmente entre os dentes e a gengiva.

3 – O enxague: o enxaguante bucal ajuda a eliminar os resíduos que foram liberados durante a escovação. Escolha um enxaguante bucal sem álcool.

4 – A escovação: trata-se de feito jeito e não de força. Faça movimentos circulares e sem muita pressão. Não se esqueça de escovar atrás dos dentes.

5 – Troque a “ferramenta”: escova de dente é sua principal ferramenta na escovação, por isso ela deve ser substituída a cada 3 ou 4 meses.

6 - Crie o hábito de passar fio dental desde a infância - fica mais fácil do que incorporar nos adultos -, para que seja possível retirar a sujeira do meio dos dentes, onde a escova não alcança.

7 - Não esqueça do “resto”: além dos dentes, o cuidado deve ser estendido à sua língua, já que ela também retém bactérias nocivas.

 

Mitos e verdades sobre o clareamento dental

02/01/2019

O clareamento dental é um tratamento que conquistou muita gente e tem se tornado cada vez mais comum. Dessa forma, receitas caseiras surgiram como alternativas rápidas e baratas para deixar os dentes mais brancos; porém, além de não possuírem o efeito clareador, ainda podem causar sérios problemas à superfície dentária.

Muito se ouve falar que itens como limão, bicarbonato de sódio e casca de laranja têm o poder de clarear os dentes. Porém, o limão e a laranja são ácidos e causam erosão dental (desgaste no esmalte), dependendo da frequência com que são usados. O bicarbonato é um sal com característica alcalina que realiza apenas um polimento na superfície.

Uma pergunta bastante frequente, é sobre os cremes dentais clareadores. Esses cremes não possuem descolorantes; o que acontece, é que por serem mais abrasivos, eles removerão manchas externas, dando a impressão de que os dentes estão mais brancos. No entanto, essas partículas abrasivas, além de riscarem o esmalte dentário, podem causar dano à gengiva.

O que realmente funciona em termos de clareamento dentário é aquele feito com supervisão de profissional habilitado, ou seja, o dentista. O clareamento, de uma maneira simplificada, é realizado com um gel que vai penetrar na superfície dentária, fazendo a quebra dos pigmentos, em pigmentos menores e mais claros que serão eliminados dos dentes no decorrer do tratamento; dessa forma, não causando nenhum dano à estrutura dental, então ele não vai enfraquecer os dentes.

Ele pode ser de consultório ou caseiro (com supervisão de um profissional): o clareamento de consultório envolve o uso cuidadoso e controlado de um gel em concentração relativamente alta, aplicado aos dentes pelo dentista após as gengivas terem sido protegidas. Geralmente, ele permanece sobre os dentes em intervalos de 15 a 20 minutos somando uma hora (no máximo). Aqueles com coloração particularmente resistente podem ser aconselhados a voltar para uma ou mais sessões adicionais, ou pode ser solicitado a continuar com um sistema de uso caseiro; já o clareamento caseiro é realizado com finas moldeiras de silicone carregadas com o gel clareador em menor concentração. Ele pode ser realizado durante o sono ou durante o dia, e o tempo total de tratamento depende de características individuais de cada paciente. Inúmeros casos mostram que o procedimento caseiro para o clareamento dentário pode produzir os melhores resultados a longo prazo. O clareamento é recomendado a qualquer pessoa que estiver insatisfeita com seus dentes, exceto menores de 15 anos e gestantes.

Nos dias atuais, a sensibilidade dentária, uma queixa de alguns pacientes, é controlável, pois temos novos produtos no mercado, como pastas e géis dessensibilizantes.

 

Você sabe a quais riscos está exposto quando o dentista não esteriliza adequadamente o instrumental?

28/12/2018

Por exemplo, contrair diversas doenças, inclusive DSTs, Hepatite, entre outras!

Caso haja uma má esterilização de instrumentos odontológicos isso pode acontecer sim. Por isso a higienização e esterilização correta e frequente destes equipamentos são primordiais.

Queremos chamar a sua atencão para o fato de que, se a biossegurança não for seguida pela clínica e pelo profissional, você pode colocar em risco a sua saúde!

Antes de escolher uma clínica para realizar seu tratamento, certifique-se de que a mesma segue à risca todos os cuidados com os processos de esterilização. Afinal de contas, saúde é coisa séria. Fique atento!

A Clínica Sorriso do Vale tem a maior preocupação e comprometimento com a sua saúde e de sua família. Os processos de esterilização, seus materiais, e limpeza, são levados muito a sério por toda a nossa equipe.

 

PRINCIPAIS DÚVIDAS RELACIONADAS A APARELHO DENTÁRIO.

22/12/2018

Assista ao vídeo e esclareça suas principais dúvidas relacionadas ao uso do aparelho dentário.

 

Socorro, meu dente caiu!

18/12/2018

A queda do dente na infância é cercada de muita magia e mistério. Quem nunca ouviu falar na fada do dente? Os de leite caem, o que é normal, no entanto, a queda de um permanente pode ser uma dor de cabeça. Mas não deixe isso virar um pesadelo.

A recomendação dos especialistas é manter o dente que caiu hidratado até a chegada no local de atendimento. Entre as opções de hidratação são: leite, soro ou saliva. A água não é remendada nesse caso. A chance de recuperação do dente é grande, caso a pessoa procure ajuda logo, em até duas horas.

O dente também pode quebrar no meio, vale a mesma dica de manter o pedaço hidratado, mas se você não encontrar mais o dente quebrado não se desespere. Existem matérias que que podem substituir muito bem.

Mas mesmo se o dente não for reimplantado, é possível substituir o dente perdido através das próteses e implantes dentários. A Sorriso do Vale tem uma equipe especializada que vai avaliar cada caso e encontrar a melhor solução. Está esperando o que para voltar a ter um sorriso bonito?

 

EXISTE INDICAÇÃO PARA USO DE APARELHO PARA CRIANÇA QUE TEM DENTE DE LEITE?

10/12/2018

Parece um tanto estranho, imaginar uma criança com aparelho nos dentes. A maioria quer ficar bem longe dessa cena. Mas o uso na infância pode prevenir lesões e evitar um tratamento extenso mais tarde. Ele é indicado caso a criança apresente a mordida cruzada. Outro fator que pode interferir também é a mordida aberta, causada pelo uso prolongado de chupetas e mamadeiras depois dos 3 anos de idade.

Quanto mais cedo realizar o tratamento, melhor, pode evitar inclusive a necessidade de cirurgia. O ideal é que a criança frequente regularmente o consultório dentário desde bebê. Os pais precisam ficar atentos entre os 4 e 6 anos de idade e observar o crescimento e verificar como está o posicionamento dos dentes.

Ficou interessado? Os nossos ortodontistas vão analisar cada caso e ver se existe a necessidade do uso de aparelho e qual é o mais indicado.

 

Gengiva inflamada, o que fazer?

30/10/2018

Os sintomas são bem comuns; gengiva avermelhada, dolorida e até inchada. Se você está com esse problema, pode ser um sinal de alerta, precisa cuidar melhor da higiene bucal. Quando a técnica de escovação não é adequada, ocorre o acúmulo de resíduos e o aumento da placa bacteriana. Isso acaba irritando a gengiva, provocando a inflamação e até o sangramento.

Esse inchaço pode evoluir para problemas mais sérios, como a doença periodontal, que é um dos maiores fatores de perdas dos dentes de adultos e até crianças. Mas você sabia que a gengiva pode ficar inflamada também por outros fatores como:

- Ferimentos na boca
- Queimaduras
- Cigarro
- Atrito com aparelhos (próteses)
- Fatores hormonais,
- Deficiência nutricional
- Medicamentos e doenças como Diabetes

Quer ter um sorriso bonito? Então não descuide de uma boa higiene. Use sempre o fio dental e uma escova macia. Busque ajuda se a gengiva estiver vermelha, inchada ou sangrando.

 

COMO DETECTAR OS PRIMEIROS SINAIS DE CÁRIE NOS DENTES?

21/10/2018

Fique atento

Manchas brancas no dente, pode ser o primeiro sinal de cárie.

A cárie é uma doença causada por bactérias que vivem na boca. No início, quase não apresenta sintomas, apenas uma mancha branca. É quando começa a desmineralização do esmalte. Depois podem aparecer a sensibilidade com alimentos gelados, quentes e ao mastigar. Se não tratada adequadamente pode evoluir, e até destruir o dente.

Curiosidade

Você sabia que a cárie é a segunda doença mais comum no mundo, só perde para os casos de resfriado? Os dados são da Organização Mundial de Saúde (OMS). O levantamento apontou que entre 60 e 90% das crianças em idade escolar sofrem com cárie dental . No caso dos adultos, o problema é ainda mais grave, com a doença chegando a afetar quase 100% do público em todo o mundo.

Prevenção

O cuidado com a saúde bucal deve incluir uma boa higiene da boca: escove os dentes pelo menos três vezes ao dia e não esqueça do fio dental. Evite alimentos com açúcar e amido. Preste atenção também na frequência que é mais importante que a quantidade. A boca leva aproximadamente 1 hora para recuperar o pH, após a ingestão de açúcar. Então, se a pessoa consumir vários alimentos doces no decorrer do dia, sempre será um ambiente propício ao surgimento de cárie.

Outro hábito muito importante que não pode faltar são consultas de rotina no dentista. Sua saúde bucal agradece e você pode resolver problemas menores antes de se tornarem sérios. Está esperando o que para cuidar dos dentes? Mostre seu sorriso, sem nada de cáries!

 

Implante dentário - faça sem medo!

15/10/2018

Assista ao vídeo e veja o quanto é simples o procedimento de implante dentário.

 

Clareamento Dental

06/09/2018

Um sorriso mais claro é mais simples e seguro do que parece. Assista ao vídeo e confira.

 

VOCÊ SABIA QUE A ¨VELHA DENTADURA¨, HOJE CHAMADA DE PRÓTESE TOTAL, CONTINUA EM ALTA?

24/08/2018

Quando falamos em próteses totais, as já velhas conhecidas dentaduras, automaticamente relacionamos as mesmas à tratamentos arcaicos, sem vida e bastante distantes de um conceito de odontologia estética que busque mais beleza e uma aparência natural nos resultados dos tratamentos. O próprio nome dentadura, carrega uma enorme carga de conceitos pré-concebidos, que o associa à algo desagradável e nada estético, de tal forma que muitos se quer encaram as próteses totais como um tratamento de odontologia estético além de saúde bucal onde devolvem a função mastigatória do paciente.

Mas agora, vamos esquecer essa história de que dentadura são coisa do passado, porquê as próteses também podem sim ser modernas! E o que é ser moderno na odontologia estética de hoje? Beleza acima de tudo, certo? Errado! A odontologia estética moderna busca, obviamente, oferecer um belo sorriso, porém o mais importante é que este sorriso além de esbanjar beleza, não pareça artificial. Portanto, a naturalidade é fundamental!

Mesmo sendo um dos ramos mais antigos da odontologia, é possível dar ar fresco e adequar as próteses dentárias aos tempos modernos, e oferecer um produto final com beleza, naturalidade, custo reduzido e principalmente personalização.

Isso mesmo, sua dentadura será 100% adequada ao seu perfil, ao seu desenho bucal, e tudo isso graças a uma técnica que leva o nome do seu criador Tomaz Gomes.

 

Diastema, este espaço te incomoda?

15/08/2018

Um sorriso com diastema é aquele que tem algum espaço entre os dentes deixando um buraco entre eles. O tipo mais famoso, talvez porque seja o mais visível, é o que se localiza nos dentes superiores da frente (lembra do sorriso do Ronaldo Fenômeno antigamente?). Embora possa causar algum transtorno para a saúde bucal, esse problema é tratado mais como uma questão estética e arrumá-lo, ou não, na maioria das vezes é uma opção pessoal.

O Diastema pode ser causado pela diferença de tamanho dos dentes, pela falta de dente, anormalidade do freio labial ou, ainda, por problemas de alinhamento bucal.

Para corrigir, pode-se fazer um tratamento ortodôntico, preencher o espaço com resina, próteses do tipo facetas ou até mesmo manter os dentes assim, o que muitos chamam de \\\"charme\\\"!

O importante é você saber que existe sim tratamento para o diastema. E se isso lhe incomoda, procure a Sorriso do Vale, pois é preciso avaliar a origem, de forma a determinar a melhor opção de tratamento para o seu caso.

 

Saiba como higienizar corretamente seu aparelho ortodôntico

04/08/2018

Assista ao vídeo com as dicas da nossa especialista.

 

Três erros que você precisa corrigir para manter o seu sorriso saudável!

01/08/2018

Separamos para você, 3 erros de higiene bucal que a grande maioria das pessoas comete sem saber o quão prejudicial é para a saúde dos dentes. São eles:

1 - Usar o palito de dente:
É um hábito muito comum, especialmente utilizado por pessoas de mais idade. O palito de dente de madeira é um grande causador de problemas no esmalte dos dentes, pode provocar fraturas, não remove corretamente restos alimentares da sua boca e ainda pode machucar a sua gengiva. É melhor substituí-lo pelo fio dental. Fica a dica!

2 - Não trocar a escova de dente a cada 3 meses:
Outro erro muito comum é as pessoas esquecerem de substituir a escova de dente a cada 3 meses. Comumente, as pessoas somente trocam de escova quando a sua começa a ficar visivelmente desgastada. Nesse estágio, a escova já perdeu a sua capacidade de limpeza há muito tempo, o que pode comprometer a higiene bucal.

3 - Utilizar creme dental com abrasivos (creme dentais clareadores):
Outro erro bastante grave é a utilização de cremes dentais clareadores sem orientação do seu dentista. Estes cremes são extremamente prejudiciais ao esmalte, causando sérios desgastes.

Se você comete algum desses erros fique atento e melhore seus hábitos.
Um sorriso bonito e saudável também depende dos seus cuidados diários.

 

MOVIMENTOS DO APARELHO ORTODÔNTICO

23/07/2018

Pensando em colocar Aparelho Ortodôntico?
Veja o que acontece após a instalação do aparelho com a movimentação dos dentes e pare de pensar, tome uma decisão!

 

EXTRAÇÃO DO DENTE SISO

15/07/2018

Dúvidas sobre a extração do dente siso? Assista o vídeo ao lado.

 

Vantagens da prótese protocolo fixa sobre implantes

01/07/2018

Se você está cansado de ter suas dentaduras soltas, assista o vídeo ao lado.

 

NUTRIÇÃO COMPORTAMENTAL NA OBESIDADE

24/06/2018

NUTRIÇÃO COMPORTAMENTAL NA OBESIDADE
Revista Vida e Saúde Julho 2018.
Artigo do Nutricionista Ester Huerta
Um Movimento Inovador de Aconselhamento Nutricional

Apesar de toda a informação disponível sobre nutrição e emagrecimento, e a enorme variedade de dietas disponíveis, a obesidade continua crescendo no mundo. A nutrição comportamental é um movimento inovador de aconselhamento nutricional que estimula a pessoa a acreditar em suas habilidades ou no potencial de adquiri-las por meio de esforço pessoal (autoestima).
Essa abordagem incentiva um relacionamento saudável com o alimento ao lidar de forma equilibrada com os sinais internos de fome e saciedade. Á medida que a pessoa respeita esses sinais de seu corpo, passa a comer melhor e, como consequência, a perda de peso vai acontecer automaticamente. Na prática, deve-se evitar comer em movimento, em pé ou em mesa de escritório. A fome deve ser aceita como uma sensação saudável do organismo que será satisfeita com a refeição. Existem alimentos que devem ser ingeridos com limite, mas não os elimine. Falhas ocorrerão e deverão ser encaradas como oportunidades para aprendizagem.
É necessário ter prazer na comida. Mas atenção! Prazer não é quantidade e sim qualidade.
Verifique se não há relação entre a comida e as dificuldades para se resolver problemas no dia a dia. O único problema que a comida resolve é a fome. Os demais precisam de alternativas.
Viva o dia de hoje. O ontem já foi e o amanhã ainda não chegou.

 

Problemas que o estresse pode causar à saúde bucal.

22/05/2018

AFTAS
As aftas são pequenas feridas dolorosas na mucosa oral. A causa é considerada multifatorial, mas o estresse tem um papel importante no seu surgimento.
BRUXISMO
No bruxismo, há um ranger e aperto involuntário dos dentes, principalmente à noite. Isso leva a um desgaste e achatamento dos dentes, que se tornam mais sensíveis. As causas são relacionadas ao nível de estresse, a personalidades competitivas e à ingestão de substâncias como álcool, nicotina e cafeína. A articulação temporomandibular, que prende a mandíbula ao crânio, também sofre com essa movimentação, podendo gerar dores de cabeça.
BOCA SECA
A estimulação nervosa provocada pelo estresse prejudica a produção de saliva e gera a sensação de boca seca, o que, ao longo do tempo, pode acabar gerando outros problemas como cáries e doenças periodontais.
GENGIVITE
A inflamação das gengivas é causada, principalmente, pela placa bacteriana. O estresse provoca esse quadro ao prejudicar a execução de uma boa higiene bucal e aumentar o consumo de substâncias como o tabaco, que pioram a saúde da boca.
HERPES
Causada pelo Herpes Virus tipo I, é uma doença contagiosa, passada de pessoa a pessoa por contato direto com a lesão. O vírus não costuma gerar sintomas a menos que estimulado por algum fator desencadeante, como luz solar, infecções virais, ansiedade ou estresse.
COMO EVITAR ESSES PROBLEMAS?
Um bom equilíbrio entre mente e corpo, entre trabalho e diversão e um bem estar geral com a vida são as melhores soluções para o estresse e os problemas que ele traz.
Porém, como, muitas vezes, não é possível fugir das preocupações, o melhor é saber como evitar que o estresse gere algum problema na saúde da sua boca.
Para isso, mantenha uma alimentação saudável, pratique exercícios físicos e fique atento à sua higiene bucal, realizando a escovação após as principais refeições do dia, utilizando o fio dental regularmente e observando qualquer lesão ou alteração na parede da boca, nos dentes ou na língua.
Não deixe também de procurar atenção profissional, fazendo visitas periódicas ao seu dentista e, se necessário, ao psicólogo, buscando identificar e reduzir as causas do estresse. Tudo isso irá garantir uma boca saudável, além de te dar mais motivos para sorrir!

 

Você conhece os riscos de não fazer a manutenção correta do aparelho ortodôntico?

25/04/2018

Colocar um aparelho ortodôntico afeta a rotina de uma pessoa de diversas formas, seja nos hábitos alimentares, nos hábitos de higiene, na forma de sorrir e na frequência de visita ao dentista. Porém, quando se diz respeito a higiene e manutenção, muitas pessoas se esquecem que estão com um aparelho na boca.
A frequência recomendada para realizar consultas de rotina é de 3 ou 4 meses, porem quando se está realizando um tratamento ortodôntico, e para ter bons resultados, é preciso que o paciente siga as orientações do dentista.

Um dos prejuízos mais notáveis da falta de manutenção mensal, é um tratamento mais demorado, que levará mais tempo para ser concluído.

Lembramos sempre que cada caso é um caso. E alguns tratamentos ortodônticos não necessitam da manutenção mensal. Informe-se com seu dentista.

Em caso de dúvida ou impossibilidade de realizar a manutenção mensalmente, fale com nossos profissionais para saber qual a melhor indicação para o seu caso.

 

RETRAÇÃO GENGIVAL - SAIBA MAIS SOBRE ESSE ASSUNTO

19/04/2018

Faz um tempinho que você vem notando que seu dente está maior do que o normal. Não que ele tenha crescido, mas a sua gengiva retraiu e fez com que a parte escondida pela mucosa aparecesse.
Isso se chama RETRAÇÃO GENGIVAL! E é sobre ela que falaremos hoje.
Vamos esclarecer as principais dúvidas, e orientar sobre o melhor tratamento para esse problema tão comum.

E se a foto do post assustou você, fique tranquila (o), esse é apenas um caso de retração gengival muito comum, mas se tratado em tempo, tem solução!

A RETRAÇÃO GENGIVAL TEM TRATAMENTO?
A retração gengival tem tratamento sim. Uma vez que ela se inicia, o ideal é procurar ajuda profissional para evitar a sua progressão. Para tratar o problema e evitar que a gengiva fique escondida, existem algumas técnicas cirúrgicas dentro da Periodontia para tratamento das retrações.

A RETRAÇÃO CAUSA SENSIBILIDADE?
A retração gengival causa aumento na sensibilidade. Tudo por conta da exposição da parte do dente que, antes, era coberta pelo tecido gengival. Não é fácil lidar com dois problemas bucais ao mesmo tempo. No caso, dentes sensíveis e retração. Por isso, é essencial procurar tratamento o quanto antes e evitar os incômodos na hora de consumir qualquer alimento gelado ou quente.

USAR FIO DENTAL PIORA O QUADRO?
Pelo contrário, o uso do fio dental é essencial na prevenção da gengivite. Mas, assim como a escova dental, se o seu uso for inadequado, com força excessiva sobre a gengiva, pode causar retração. Passe a ferramenta entre os dentes e de preferência para escovas macias ou extra macias.

RETRAÇÃO GENGIVAL PODE PROVOCAR PERDA DENTÁRIA?
A retração gengival, por si só, não causa a perda de um dente. Mas, por outro lado, ela pode facilitar a instalação de doenças gengivais inflamatórias, como a gengivite e a periodontite. Todos essas complicações não tratadas acabam levando a isso.
Por isso, procure um profissional sempre que notar algo estranho ou sentir alguma dor. E faça também as revisões necessárias todo ano!

O assunto de hoje, foi sugestão de uma seguidora da Clínica Sorriso do Vale aqui no Facebook. Obrigado Magali Candido, esperamos ter esclarecido suas dúvidas.

 

Desejo de Viver

11/04/2018

Pesquisa realizada no ano passado pela empresa “Pés sem dor” revelou que existe uma estreita relação entre os hábitos de vida e o desejo de viver. A partir da análise “Saúde e qualidade de vida: a relação com os pés, tornozelos e joelhos”, evidenciou-se como a dor nos pés pode influenciar no desejo de viver, já que ela atrapalha as atividades físicas, sociais e até comportamentais.

Após consulta com 3.316 brasileiros, observou-se que o desejo de viver muda de acordo com os hábitos, a saúde e a própria idade, estando intimamente relacionado com o que o ser humano faz no dia a dia. Comportamentos não saudáveis são traduzidos em menos expectativa por longevidade, enquanto bons hábitos refletem não só mais desejo como também em mais longevidade.

Veja alguns dados que se destacam:

1. Fumantes apresentam um desejo por longevidade quase cinco anos menor que os não fumantes. Na amostra, 8,9% dos homens e 7,4% das mulheres fumam.

2. Aqueles que consomem bebidas alcoólicas não querem viver tanto quanto aqueles que não bebem. Para cada dia da semana que a pessoa tem o hábito de beber, o desejo de vida diminui em quatro meses.

3. Pessoas que fazem exercícios aeróbicos todos os dias querem viver quatro anos mais que os que não fazem essas atividades.

4. Pessoas que consideram sua saúde excelente desejam viver 40 anos mais do que aquelas com saúde ruim.

5. Quanto mais velha, mais a pessoa quer viver. Cada ano de vida, aumenta o desejo de longevidade em quatro meses.

6. Dores nos pés prejudicam a expectativa por longevidade. Os respondentes da pesquisa apontaram redução em aproximadamente quatro meses para cada nível de dor a mais.

Fonte:
http://www.revistavidaesaude.com.br/sala-d…/desejo-de-viver/

 

TECNOLOGIA NA INFÂNCIA: QUAL O LIMITE?

22/02/2018

Se até pouco tempo atrás os pais penavam para encontrar a dose ideal de televisão e videogame na vida das crianças, hoje eles ainda precisam incluir tablet, celular e computador na mesa de negociações.
Definitivamente é impossível imaginar uma infância livre da influência dos equipamentos eletrônicos. Por isso, os limites recomendados de utilização dessas tecnologias não param de ser revistos, bem como a maneira com que os pequenos deveriam interagir com as telas.
Em outubro deste ano, a Academia Americana de Pediatria lançou um documento que afrouxa um pouco algumas de suas antigas orientações. O primeiro contato com o universo digital, por exemplo, que antes só deveria ocorrer após os 2 anos de idade, agora está permitido a partir dos 18 meses, desde que com supervisão e participação ativa dos pais.
Já para os mini-internautas entre 2 e 5 anos, a tolerância caiu para apenas uma hora ao dia – antigamente eram duas. Depois, indica-se que a frequência seja personalizada. “Essa é uma questão de saúde pública, uma vez que as crianças estão cada vez mais expostas às telas. E isso em um momento crucial para o desenvolvimento de habilidades que serão importantes por toda a vida”, alerta a neuropediatra Liubiana Arantes Regazoni, da Sociedade Brasileira de Pediatria(SBP).
A entidade lançou em novembro último o seu próprio guia, intitulado Manual de Saúde de Crianças e Adolescentes na Era Digital. A publicação segue, em grande parte, os posicionamentos da associação dos Estados Unidos, mas é um pouco mais rígida em relação aos que ainda usam fraldas.
“O ideal é que o contato com eletrônicos não aconteça antes dos 2 anos, sobretudo nas duas horas que antecedem o sono e durante as refeições”, completa Liubiana, que preside o Departamento de Pediatria do Desenvolvimento e Comportamento da SBP.
Apesar de liberarem com restrições a utilização de telas nessa faixa etária, os pediatras americanos, assim como os brasileiros, enxergam poucos benefícios no hábito. “Os riscos são maiores do que as vantagens educacionais”, afirma a pediatra Jenny Radeski, da Universidade de Michigan, nos Estados Unidos, e uma das envolvidas na elaboração das diretrizes de lá.
“Até os 2 anos e meio, os bebês não conseguem transferir o que veem na tela para a realidade. Portanto, precisam ser ensinados sobre o que estão assistindo para que associem a experiências reais”, explica a pesquisadora. “É assim que o conhecimento se fixa.”
Isso vale para todas as fases, mas, principalmente entre o primeiro e o segundo aniversário, o cérebro necessita de boas doses do mundo à sua volta para que se estruture como o esperado. “É um período em que, por causa dos estímulos recebidos do ambiente externo, aumentam as sinapses, ou seja, as conexões entre os neurônios”, explica Telma Pantano, fonoaudióloga e psicopedagoga da Universidade de São Paulo (USP).
Os tais incentivos, que podem ser palavras, toques, brinquedos, músicas ou livros, servem como uma espécie de asfalto para a construção dessas pontes cerebrais, que conectam novas áreas na mente em amadurecimento, como a formação da personalidade e o aperfeiçoamento da linguagem.
O tempo que o pequeno passa sozinho, de cara na tela, não ajuda em nada disso. Pelo contrário. “Ele dificulta o desenvolvimento da empatia e do autocontrole e a capacidade de lidar com relacionamentos”, diz o neuropediatra Erasmo Casella, do Hospital Israelita Albert Einstein, na capital paulista.
Então, para garantir que o dispositivo não transforme a criança numa ilha, os especialistas consideram imprescindível, nos primeiros anos de vida, que os pais desbravem com ela os conteúdos oferecidos na tela e na rede.
Os impactos negativos do exagero não ficam restritos aos aspectos comportamentais e emocionais. Tem também a ameaça do sedentarismo. Uma pesquisa da Universidade Estadual de Campinas (Unicamp) avaliou os hábitos de 21 voluntários com idade entre 8 e 12 anos e constatou que 14 deles não praticavam nenhuma atividade física.
“Quando perguntamos o que gostavam de fazer no final de semana, a maioria respondeu brincar com jogos eletrônicos, o que já acontecia nos outros dias”, revela a pedagoga Ana Lúcia Meneghel, autora do trabalho. E você sabe: essa moleza é um convite à obesidade.
Para que o corpo e a cabeça da meninada valham por mil processadores, os especialistas dizem em uníssono: brincar é essencial. “Os desafios trazidos pela brincadeira formam estruturas cerebrais ligadas à inteligência matemática e à noção de espaço, por exemplo”, justifica Ana. Para isso, é preciso olhar em volta, segurar objetos, movimentar-se… No estudo, as crianças que eram mais fãs dos aparelhos tiveram mau desempenho quando testadas essas habilidades.
Na sala de aula a história também desanda. “A luz emitida pelo visor reduz a produção de melatonina, hormônio indutor do sono”, observa Liubiana. Sem a substância, fica difícil adormecer e há maior risco de despertares na madrugada. “O sono de má qualidade interfere na concretização de memórias e do aprendizado do dia”, aponta a neuropediatra.
Fora que, após uma noite tumultuada, quem consegue prestar atenção na lição? Há mais por trás do dever de casa incompleto. “Um game que dá pontos, por exemplo, libera no cérebro muita dopamina, substância ligada ao prazer”, detalha Casella. A princípio, isso não parece ruim, certo? “A questão é que esse processo não ocorre de forma tão intensa em outras ocasiões, como na escola. Daí a criança pode achar os estudos entediantes”, problematiza.
Para tornar essa realidade menos tecnológica (e maléfica), não dá para esperar que os menores resolvam se desapegar dos aparelhos. Os adultos precisam dar o exemplo. “Inclusive pesquisas sugerem que há menos conexão emocional e até mais conflitos se os progenitores ficam totalmente absortos nos seus smartphones”, destaca Jenny.
Portanto, o uso saudável não vale somente para os baixinhos. “Famílias que ficam só assistindo à TV ou cada um com seu celular enfraquecem seus vínculos”, reforça a psicóloga Elizabeth Monteiro, autora do livro Criando Filhos em Tempos Difíceis (Summus). “Isso fará falta na adolescência, quando os pais perdem autoridade e os filhos se afastam”, completa.
Mas não dá para ser extremista, vamos combinar. Na rotina corrida, às vezes ligar a tela funciona como uma forma de “desligar” um pouco o rebento para, assim, poder cuidar dos afazeres domésticos. “Se o pai for lavar a louça, não vejo mal em deixar o bebê assistir a um programa educativo por alguns minutos”, diz Jenny.
Uma saída para driblar os excessos é estabelecer períodos offline diários para toda a família. Entre os mais velhos, a preocupação vai além: a internet. “O perigo é a exposição a conteúdos inadequados e o bullying virtual”, ressalta Liubiana. Já o vício nas redes sociais, território que deveria ser evitado até os 13 anos, pode ser nocivo por fomentar ansiedade e baixa autoestima.
Qual seria, então, a hora certa para dar um dispositivo eletrônico à criança? “Nunca antes dos 12 anos”, declara Telma. Até essa idade, a dica é deixar o pequeno emprestar o aparelho de algum adulto. “Esse comportamento ajuda a transmitir a mensagem de que o controle segue na mão dos pais”, justifica a psicopedagoga da USP.
Também não adianta encarar a tecnologia como vilã. Até porque, em muitos casos, ela é uma baita mão na roda. Tanto é que as diretrizes citadas no início da reportagem dizem respeito apenas ao uso enquanto entretenimento puro e passivo. “Tudo aquilo que os pais fizerem com os filhos, como usar a videoconferência, tirar fotos ou jogar, não conta”, diferencia Jenny. O conselho é dar a mão ao rebento sempre. No mundo real e no digital.
FONTE: Saúde.abril.com.br

 

FUMAR NARGUILÉ FAZ MAL A SAÚDE?

01/02/2018

Uma moda entre os jovens e um perigo para a saúde bucal. Entenda sobre o narguilé.

Não é segredo para ninguém que fumar prejudica a saúde. Mas, quando o assunto é o narguilé — uma espécie de cachimbo oriental que vem se tornando uma febre no Brasil — a grande maioria das pessoas ainda fica na dúvida: faz mal à saúde? É menos perigoso que cigarro comum? Pode causar doenças graves? A verdade é que sim, o Narguilé faz mal à saúde, mas não é só isso! Ele pode ser, inclusive, pior que o cigarro tradicional.
Acompanhe nosso artigo e entenda os perigos dessa onda que chegou com tudo, principalmente, entre os adolescentes que se veem atraídos pelo aroma e essências frutais usadas nesse aparato.

O QUE É O NARGUILÉ?
Basicamente, o narguilé é um dispositivo em que se fuma o tabaco. Nesse sistema, o fumo é aquecido e a fumaça gerada passa por um filtro de água. O fumante aspira a fumaça por meio de uma ou mais mangueiras.

QUAIS SÃO OS PERIGOS DO NARGUILÉ?
O uso do narguilé traz uma série de perigos tanto para a saúde física quanto mental de quem o consome, embora pareça inofensivo em um primeiro momento, já que o aparato utiliza água para preparar o fumo.

Conheça alguns desses perigos:
VICIA MAIS QUE O CIGARRO
O narguilé é capaz de viciar mais do que o cigarro comum, já que possui uma concentração maior de nicotina — cerca de 4%, enquanto o cigarro tem 2% da mesma substância.

ESTIMULA O USO EXCESSIVO DO FUMO
Segundo a Organização Mundial da Saúde, uma rodada de narguilé de aproximadamente uma hora, equivale ao consumo de 100 cigarros, muito mais do que um maço inteiro de cigarros.

LIBERA AS TOXINAS EM MAIOR CONCENTRAÇÃO
O narguilé tem as mesmas substâncias tóxicas do cigarro, segundo os dados do INCA (Instituto Nacional do Câncer) que mostram que a forma como o tabaco é queimado — em carvão em brasas — faz com que as toxinas sejam liberadas em maior concentração.

CAUSA MAIS DANOS À SAÚDE QUE O CIGARRO COMUM
O cigarro tem filtro para segurar o alcatrão e outros gases que possam entrar no corpo. Ao fumar o cigarro, portanto, uma boa parte da fumaça vai para a atmosfera e não é inalada. Na melhor das hipóteses, apenas 60% do cigarro é efetivamente fumado. Os outros 40% ficam na atmosfera e no filtro.
No narguilé, praticamente 100% da fumaça é inalada porque chega fria à boca. Além disso, existe o mito de que, no narguilé, a água filtra as substâncias tóxicas da fumaça, o que não é verdade.

DOENÇAS BUCAIS CAUSADAS PELO FUMO
O sorriso e a saúde bucal também sofrem muito com o mau hábito do fumo. Conheça algumas doenças bucais causadas pelas substâncias tóxicas que vão muito além dos problemas estéticos como o amarelamento dos dentes e escurecimento de lábios, gengivas e língua.

PERIODONTITE
As toxinas do fumo podem afetar os tecidos periodontais (gengiva), responsáveis pelo suporte dos dentes, causando a periodontite.
Entre os principais problemas estão o aprofundamento das bolsas periodontais, dificuldades de cicatrização e redução da vascularização, além do maior risco de perda óssea.
A longo prazo, com os tecidos das gengivas e estruturas ósseas comprometidos, o risco de perda dental é significativo.

XEROSTOMIA
Também conhecido como “boca seca”, a xerostomia é um problema ocasionado pela alteração na quantidade e qualidade da saliva como consequência do hábito de fumar. Esse quadro tende a potencializar o mau hálito e, em casos mais graves, há, inclusive, a necessidade de tratamentos para reativação da produção das glândulas salivares.

MAU HÁLITO
O mau hálito produzido pelo odor do fumo em si provoca alterações na qualidade do hálito, uma vez que provocam danos à oxigenação das glândulas salivares. Com isso, temos a redução da quantidade da saliva, o que prejudica a lavagem natural da boca.
Associado a isso, tem-se o calor produzido pelo ato de fumar, que faz com que as células da mucosa bucal se desintegre mais facilmente. Elas, em contato com bactérias, produzem gases de odor bem desagradável, aumentando os problemas de mau hálito entre fumantes.

CÂNCER BUCAL
Tabagistas apresentam uma probabilidade de 4 a 15 vezes maior de desenvolver Câncer da Boca do que os não-tabagistas. A explicação está na quantidade de substâncias nocivas à saúde presentes no tabaco: mais de 4 mil, sendo 400 delas cancerígenas. Assim, fica fácil entender o porquê do câncer de boca ser tão comum entre os fumantes, certo?
A doença pode se apresentar na mucosa da bochecha, língua ou assoalho da boca com formação de úlceras, sangramento fácil e o surgimento de bordas duras e elevadas. Fumar também aumenta o risco de câncer de garganta, laringe e esôfago.

Diante de tantos perigos, é bom lembrar aos pais que permitir o uso de narguilé pelos filhos é uma forma de introduzi-los à prática do cigarro, além de potencializar o acesso às outras drogas, já que não é incomum a mistura de substâncias mais pesadas, além de bebidas alcoólicas ao fumo.

Vale ressaltar, ainda, que a venda e o uso de Narguilé para menores de 18 anos é proibida, além de ser uma prática contraindicada para os maiores de idade também. Atenção e diálogo é sempre a melhor alternativa!

Agora que você sabe que fumar narguilé faz mal à saúde física, bucal e mental, compartilhe nas suas redes sociais para ajudar os seus amigos a conhecer os riscos dessa prática e conscientizá-los sobre a importância de manter os seus filhos e amigos longe desse mau hábito!

 

VOCÊ SABE AS CONSEQUÊNCIAS DE NÃO HIGIENIZAR CORRETAMENTE SUA LÍNGUA?

15/01/2018

A limpeza da língua é essencial para evitar doenças como endocardite bacteriana, pneumonia, gengivite, periodontite e até mesmo problemas cardíacos.
Grande parte da população tem consciência da importância da higiene bucal para a sua saúde. No entanto, o que muitos não sabem é que a limpeza da língua também é importante na hora da escovação. Assim como os dentes, ela acumula restos de alimentos e células descamadas, podendo atrair bactérias que causam o mau hálito.
Fazer a higiene bucal completa é simples, mas a maioria das pessoas não conhece a maneira correta de fazê-la. Acompanhe o artigo de hoje e saiba mais detalhes sobre o tema!

COMO FAZER A LIMPEZA DA LÍNGUA?
Algumas pessoas acham que utilizando apenas a escova de dente para realizar a higiene da língua, estão realizando uma limpeza completa. Entretanto, as cerdas da escova não são feitas para esse procedimento. Por isso, em vez de ajudar, elas podem ferir o local.
Para fazer a limpeza de modo adequado, é importante utilizar um limpador de língua, que é um acessório desenvolvido para essa finalidade, pois tem um formato adequado para essa função, ou até mesmo a parte traseira da escova dental, que na verdade é um limpador acoplado.

QUAIS SÃO AS CONSEQUÊNCIAS DA FALTA DE HIGIENE LINGUAL?
Os sulcos e protuberâncias naturais da língua são um verdadeiro paraíso para as bactérias, resultando em inúmeros problemas orais e de saúde. Vamos conhecer alguns deles:
PROBLEMAS NO CORAÇÃO
Em casos mais graves de má higiene oral, são formadas placas bacterianas que, ao cair na corrente sanguínea, podem, com o passar do tempo, comprometer o fluxo natural do sangue, levando o indivíduo a desenvolver problemas cardíacos.
PARTOS PREMATUROS
As mulheres grávidas devem ter cuidado redobrado com a saúde bucal. O acúmulo de microrganismos ativa as células de defesa, que se deslocam para combater o problema.
Nesse processo, são liberadas substâncias no organismo que podem desregular os hormônios e prejudicar a gravidez, levando à ocorrência de partos prematuros.
GENGIVITE E PERIODONTITE
A gengivite é provocada por uma série de microrganismos. Quando a pessoa não faz a limpeza da boca e da língua adequadamente, ela pode se desenvolver, destruindo progressivamente a ligação entre o dente, a gengiva e o tecido ósseo. No início, ela não apresenta nenhum tipo de incômodo.
Com o passar do tempo e sem o tratamento adequado, ela pode evoluir para a periodontite, danificando os ligamentos que sustentam os dentes, levando, assim, a sua perda precocemente.
HALITOSE (MAU HÁLITO)
Se existe algo que incomoda qualquer pessoa é o mau hálito. Ele é prejudicial nas relações pessoais e até mesmo na vida profissional. É algo desconfortável para quem sente o cheiro e, principalmente, para quem tem o problema.
Os micro-organismos que ficam na língua, ao se decompor, geram um odor desagradável. Se a higiene é deficiente ou feita incorretamente, a placa fica mais densa e o mau hálito se intensifica.

Faça a limpeza bucal completa para evitar a halitose e suas desagradáveis consequências. Contudo, se o problema persistir, é necessário procurar um profissional, para identificar a real origem do problema, que pode até mesmo ser estomacal.
As pessoas que não têm o hábito de ir ao consultório odontológico são as mais propensas a desenvolver consequências de problemas bucais, mas tendem a atribuí-los a outros fatores.
Faça periodicamente a sua consulta com o dentista, para identificar problemas simples e tratá-los antes que problemas mais sérios, como os citados acima, se desenvolvam.
Para concluir a higienização da boca, faça a escovação dos dentes e utilize o fio dental. A limpeza da língua deve ser realizada diariamente, para evitar a formação da saburra e, consequentemente, do mau hálito e de outras doenças já citadas, mantendo a sua saúde bucal e de toda sua família sempre em dia.

 

MITOS E VERDADES SOBRE CLAREAMENTO DENTAL QUE VOCÊ PRECISA SABER

20/12/2017

Seus dentes podem não ser naturalmente bem branquinhos, mas muita gente acredita que, fazendo clareamento dental, consegue alcançar um sorriso perfeito. Devido ao passar dos anos, hábitos e alimentação, seu sorriso tende a ficar mais amarelado e manchado. O branqueamento se torna a melhor opção nestes casos. Antes de tomar qualquer atitude é importante esclarecer qualquer dúvida sobre essa técnica.

QUALQUER PESSOA PODE FAZER CLAREAMENTO DENTAL?
Mito = Todo paciente, a princípio, pode se submeter ao clareamento. No entanto, existem algumas contraindicações que acabam comprometendo a técnica em certas pessoas.
Ele não deve ser realizado em gestantes e lactantes, pessoas com restaurações amplas, pacientes com sensibilidade dentária, irritação gengival severas, fumantes inveterados e pacientes com condições pré-cancerígena. Apesar do branqueamento ser uma técnica amplamente utilizada, o dentista deve estar atento na avaliação de cada caso.

QUEM FAZ CLAREAMENTO DEVE EVITAR CERTOS ALIMENTOS?
Verdade = O uso de algumas substâncias deve ser evitado em excesso, especialmente durante o tratamento clareador. O grande destaque vai para os alimentos com forte coloração como beterraba, chocolate e algumas bebidas como café, achocolatados, refrigerantes, vinhos tintos e sucos com adição de corantes. Lembre-se que também é preciso acabar com os maus hábitos nesse período. Então, nada de cigarro e bebidas alcoólicas com pigmentação.

O CLAREAMENTO DENTAL SENSIBILIZA OS DENTES?
Mito = Durante o processo de clareamento você pode até sentir aumento da sensibilidade ao frio, mas, atualmente, o gel clareador utilizado nos tratamentos possui agentes que minimizam a sensibilidade. Quando ocorre alguma sensibilidade durante o tratamento o dentista pode utilizar fluorterapia, dessensibilizantes de consultório e pastas dentárias especificas para sensibilidade com excelentes resultados.

O CLAREAMENTO DENTAL PODE DURAR ANOS?
Parcialmente verdade = Isso vai depender do comprometimento da paciente. A cor original do paciente não volta ao estado prévio do clareamento. Pode ocorrer de novas manchas surgirem com o passar dos anos, alterando a cor obtida no clareamento em um tom. Mas isso acontece se o paciente consumir, de forma frequente, alimentos, bebidas, medicações ou quaisquer substâncias que provoquem pigmentação nos dentes. Contudo, um reforço do branqueamento resolve facilmente essas alterações de cor.

 

Por quanto tempo eu vou precisar usar o aparelho dentário? É possível acelerar o tratamento?

22/11/2017

O objetivo final de um tratamento ortodôntico é sempre proporcionar uma boa condição funcional e estética para o paciente. Para alcançar isso existem vários caminhos, mas a meta principal nunca deve ser esquecida. Muitas vezes, para atingir os resultados esperados, o processo acaba demorando um pouco mais, o que pode acabar sendo um incômodo.

Basicamente, o tratamento ortodôntico se constitui como a movimentação dos dentes através da aplicação de uma força sobre eles. Estas forças provocam modificações no ligamento periodontal causando reabsorção de osso de um lado do dente, nas áreas de pressão, e a posição de osso do outro lado, nas áreas de tensão.

A maneira de aplicar a força, no entanto, pode variar muito. Podem ser usados aparelho fixos tradicionais, alinhadores móveis ortodônticos, ou ainda a própria força da língua batendo nos dentes. Não importa como, qualquer força atuando sobre os dentes irá provocar uma movimentação neles. Os aparelhos ortodônticos, portanto, são dispositivos mecânicos utilizados para direcionar estar forças a nosso favor, ou seja, deixar os dentes na posição que desejamos.

A duração do tratamento depende de diversos fatores:
Um tratamento ortodôntico normal dura em média entre 12 e 24 meses. Mas esse tempo pode variar devido a diversos fatores. A gravidade da má oclusão, necessidade ou não de extrações, idade do paciente, problemas hormonais, medicações e mecânica utilizada são alguns dos aspectos que influenciam nesse caso. Pode ser mais demorado em casos mais complexos ou mais rápido em casos mais simples.

Existem formas de acelerar o processo?
Atualmente, a tecnologia tem trazido grandes avanços para o tratamento ortodôntico.
O tempo que o paciente fica no consultório durante uma consulta diminuiu bastante.
Além disso, muitos estudos vêm sendo desenvolvidos com o objetivo de acelerar o tempo de tratamento. Mini implantes, corticotomias, injeções locais de PRP, aparelhos vibratórios, laser de baixa potência são algumas dessas técnicas.

Além disso, fios ortodônticos de alta tecnologia como os NiTi termoativados e alguns tipo de aparelhos ortodônticos como os chamados autoligados prometem uma diminuição do tempo de tratamento. Mas ainda não existe uma evidência científica disso. Para acelerar uma movimentação ortodôntica, é preciso acelerar a resposta biológica à força aplicada ao dente, o que depende do organismo de cada pessoa. Portanto, para diminuir o tempo de um tratamento, o melhor caminho ainda é um diagnóstico e planejamento bem feitos, com aplicação das mecânicas adequadamente. Ou seja, uma boa Ortodontia.

 

LÍNGUA PRESA PODE TRAZER PROBLEMAS PARA A SAÚDE BUCAL DA CRIANÇA?

31/10/2017

Desde cedo seu bebê apresenta dificuldade para sugar o leite durante a amamentação? Atenção! Esse pode ser um sinal de que ele apresenta língua presa. Além de problemas de sucção, esse quadro pode ser facilmente percebido pela manifestação de complicações na hora de pronunciar algumas palavras. Nesses casos, o freio, a membrana que fica abaixo da língua, é menor que o normal e impede o órgão de se movimentar da forma certa, levando a essas consequências. Além dessas situações, será que a língua presa também pode trazer problemas para a saúde bucal? Esclarecemos essa questão e o que deve ser feito.

Esse quadro pode trazer prejuízos para a saúde bucal?
O comprometimento da fala causado pela língua presa pode atrapalhar bastante a vida de uma pessoa, principalmente durante a infância, quando costuma ocorrer o bullying. Mas os problemas decorrentes dessa situação não param por aí. Segundo a nossa profissional, a pessoa que possui língua presa pode sim apresentar maiores índices de prejuízos para a saúde bucal. Como o paciente é portador de anquiloglossia, nome dado a esse quadro, irá apresentar uma interferência na função e movimentação da língua.
Isso faz com que esses indivíduos passem a apresentar outros quadros decorrentes dessa causa. Entre os problemas mais comuns que acometem os pacientes portadores da língua presa estão os prejuízos na área de sucção, fala, deglutição e mastigação.

Quais são os cuidados indicados para esses casos?
A observação desse cenário por um profissional precisa ser feita o mais cedo possível, para que se evite consequências mais graves. Muitas vezes, ele pode ser percebido nos primeiros meses do bebê, quando apresenta dificuldade de sugar durante a amamentação. A avaliação deve ser realizada ainda na infância do paciente portador do problema, para que o diagnóstico seja precoce. O tratamento, nesses casos, precisará ser multidisciplinar.

Em alguns casos, a língua presa poderá ser tratada com cirurgia?
Existe um procedimento que pode ser realizado para acabar com o problema da língua presa, chamado frenectomia lingual. Nada mais é do que uma remoção cirúrgica do freio lingual, que devolve ao paciente suas funções orais básicas, e ao mesmo tempo, seu completo desenvolvimento e qualidade de vida. É importante lembrar que esse procedimento só deve ser realizado se for indicado pelo dentista, que saberá orientar sobre a melhor forma de tratamento.

 

CHUPAR O DEDO PREJUDICA A DENTIÇÃO DA CRIANÇA? COMO FAZER ELA PARAR COM ESSE HÁBITO?

21/10/2017

O ato de chupar o dedo é muito comum quando se trata de bebês. No entanto, esse hábito, considerado muitas vezes “bonitinho” pelos pais, pode trazer problemas para a saúde bucal da criança. Dizer “não” pode ser uma tarefa muito difícil, principalmente quando se dirige a um bebê, que provavelmente terá como primeira reação o choro. Por isso, damos algumas dicas para ajudar seu filho nesse momento, e explicamos por que parar com esse hábito o quanto antes é extremamente necessário.

A prática de chupar o dedo pode trazer prejuízos para a saúde bucal:
Hábitos nocivos adquiridos nos primeiros meses de idade, como o de sugar o dedo, se persistirem e se tornarem muito frequentes, podem causar danos bucais. Entre eles está a mordida aberta anterior, mordida cruzada, respiração bucal, deglutição atípica, palato atrésico e até mesmo aumentar o risco de desenvolvimento de cárie.
Além disso, a saúde bucal está relacionada intimamente com a saúde geral da criança. Os prejuízos, portanto, não se limitam apenas à boca. Estes fatores estão ligados com os problemas de fonação e aprendizagem escolar, sono, ronco, apnéia, irritabilidade e postura de coluna. Ou seja, os danos ao crescimento e desenvolvimento da criança poderão ser enormes, e o tratamento para esses quadros precisará ser multiprofissional.

Como fazer a criança parar de chupar o dedo?
A primeira dica é que se evite ao máximo que o bebê adquira esse hábito. Uma forma de conseguir isso pode ser substituindo pela chupeta, mesmo que ela também possa prejudicar a dentição da criança, se usada por tempo demais. Tem se demonstrado mais facilidade de retirada da chupeta pelos pais, e quanto mais precoce for esse processo, melhor.
Dependendo da idade da criança, algumas outras alternativas como o diálogo e a conscientização podem ajudar. No entanto, se o bebê ainda tiver poucos meses, a distração ou utilização de aparelhos impedidores podem ser melhores soluções. Existem também algumas opções de mordedores com líquidos ou luvas específicas para a situação.

Essa prática pode trazer a necessidade de usar aparelho?
Essa prática pode sim fazer com que seja necessário o uso do aparelho ortodôntico futuramente. Dependendo do tempo, frequência e duração e das deformidades ósseas e dentárias. Portanto, mesmo que impedir seu filho de chupar o dedo possa ser uma atitude difícil, lembre-se de que está fazendo o melhor para ele!
Além desse hábito, outros também podem podem ser prejudiciais a saúde bucal da criança como alimentação rica em açúcar, uso prolongado da mamadeira e chupeta, roer unha, bruxismo e sucção de língua, lábios ou objetos. Fique de olho e não deixe que esses comportamentos prejudiquem o sorriso do seu pequeno.

 

A PARTIR DE QUAL IDADE PODE SER COLOCADO O APARELHO ORTODÔNTICO?

10/10/2017

Você com certeza deve ver por aí muitos adolescentes usando aparelho ortodôntico. Pode ser que esta seja a fase mais comum para utilizar o acessório, mas não quer dizer que seja a única. Afinal de contas, será que existe uma idade correta para aderir tal tratamento?
Nossa especialista explica todos os detalhes dessa terapia e qual é a melhor forma de descobrir se é necessário ou não passar por ela.

Existe idade ideal para colocar aparelho?
Para cada fase da vida exige cuidados bucais diferentes. Quando criança, os pais precisam ficar atentos às cáries de mamadeira, por exemplo. E na melhor idade, os idosos devem ter cuidado com as doenças desta época, como a xerostomia, a temida sensação de boca seca. Mas, no caso do tratamento ortodôntico, não existe uma idade correta para iniciar. O aparelho ortodôntico pode ser utilizado em qualquer idade, desde crianças até os mais velhos, dependendo da finalidade proposta. Cada caso é um caso, e tem que ser avaliado separadamente.

Como descobrir se é preciso usar aparelho?
Não precisa ser apenas quando os dentes estão tortos ou desalinhados. NOSSA ESPECIALISTA INDICA UMA AVALIAÇÃO PRECOCE POR VOLTA DOS 6 ANOS, QUANDO A CRIANÇA INICIA A PRIMEIRA FASE DE TROCA DA DENTIÇÃO. Nessa análise, avaliamos não só a presença de mordida cruzada, mordida em topo, cáries, hábitos parafuncionais do paciente, como chupar o dedo ou roer unha, diastemas, bem como toda a estrutura óssea e a proporcionalidade dos ossos.
Muitas vezes os profissionais já podem intervir nessa fase. Eles aproveitam que os ossos da face ainda não estão completamente calcificados para obter ótimos resultados de ganho e avanço. Crianças com \"o queixo muito para frente\" ou com o céu da boca estreito, são muito beneficiadas nessa época com o tratamento ortodôntico. Caso o paciente não precise de uma intervenção ortodôntica, é apenas realizado um acompanhamento da troca dentária pelos próximos anos.

Opções de tratamento para sua idade:
Muitos se preocupam com a estética no momento de colocar aparelho ortodôntico, principalmente os adultos. Para este público já existem muitas opções de tratamento que juntam beleza com saúde bucal, como os de safira, aparelho invisível, entre outros. Já na fase da pré-adolescência, por volta dos 12 e 13 anos, é que geralmente ocorre a troca dentária completa, com aparecimento de todos os dentes permanentes na boca. Na maioria dos casos, é uma época muito propícia para colocação do aparelho ortodôntico fixo.

 

QUAL É A DIFERENÇA ENTRE FACETA DE PORCELANA E LENTE DE CONTATO DENTAL?

05/10/2017

Você decidiu mudar seu sorriso para melhor, dar um tom mais estético. Mas aí pintou a dúvida sobre a melhor técnica para seus dentes. Ficou sabendo por um amigo a respeito da colocação de facetas de porcelana, e certa vez leu sobre lentes de contato dental. E agora, quais são exatamente as diferenças entre elas?
Estamos aqui para esclarecer suas dúvidas.

Facetas de porcelana X Lentes de contato:
As facetas de porcelana são capinhas feitas de cerâmica com sete milímetros de espessura. Elas são cimentadas nas faces frontais dos dentes anteriores para melhorar a aparência do sorriso. Geralmente, necessita fazer desgastes nos dentes para fazer pequenas correções dentárias, além de clarear dentes escurecidos e manchados.
Já as lentes possuem uma diferença no momento da colocação. São capas ultrafinas de cerâmica com cerca de 0,2 a 0,4 mm de espessura, minimamente invasiva, ou seja, com pequeno desgaste ou nenhum desgaste destinadas a branquear os dentes e /ou corrigir a estética.

Qual é a mais indicada?
Tudo vai depender da sua necessidade dentária. A lente, por exemplo, é mais indicada para correções, como:
- fechamento de diastemas,
- aumento do comprimento dos dentes,
- largura e arredondamento de ângulos.
Ela é tão fininha que parece transparente, por isso ganhou o nome de lente de contato dental.
Por outro lado, a faceta é indicada para quem não está satisfeito com a cor do seu sorriso ou está incomodado com aquele dente girado ou desalinhado.
Para chegar numa decisão, converse com seu dentista antes, ele saberá indicar qual o melhor procedimento para o seu caso.

Os benefícios das facetas e lentes:
As vantagens das duas técnicas são bem idênticas e quem optar em fazer qualquer uma, sairá no lucro com um belo conjunto de dentes.
- Rapidez de tratamento, que leva, em média, três consultas .
- Baixa manutenção, até por que a porcelana não altera a cor.
- A longevidade da técnica que costuma durar de 10 a 15 anos ou muito mais.

Outros cuidados com seu novo sorriso:
Os cuidados também são parecidos após ambos os procedimentos
É preciso ter o mesmo carinho que tem com os dentes naturais.
Evitar mastigar alimentos muito duros, evitar roer unhas e não usar os dentes para abrir embalagens, por exemplo.

 

VOCÊ SABIA QUE DENTISTA TAMBÉM É AUTORIZADO A APLICAR A TOXINA BOTULÍNICA, O FAMOSO BOTOX?

29/09/2017

Se a ideia de aplicar botox já passou pela sua cabeça, é importante ressaltar que, antes de tomar qualquer decisão, você precisa saber todos os detalhes do procedimento e ter a certeza que estás nas mãos de um profissional qualificado para a aplicação.
Veja abaixo as dúvidas mais frequentes:

O que é o botox?
Trata-se de uma neurotoxina de origem biológica obtido a partir da bactéria Clostridium botulinum. Botox, como todo mundo fala, é, na verdade, a marca registrada de toxina botulínica tipo A do laboratório Allergan. Mas existem outros produtos no mercado com diferentes nomes, como Dysport, da Galderma, e Prosigne, da Cristália.

O botox pode ser usado em todo tipo de ruga?
Não. Os profissionais aptos para fazer esse procedimento recorrem a essa técnica para suavizar as rugas de expressão ou seja, aquelas que ficam muito marcadas devido à movimentação dos músculos da face, como as da testa e os pés-de-galinha. Para as linhas estáticas, quando o rosto está parado (o bigode chinês, por exemplo), há outros recursos, como o preenchimento à base de ácido hialurônico.

O rosto pode ficar sem expressão?
Não necessariamente. A forma de usar a substância evoluiu muito, há alguns anos, dava sim, um visual congelado. A tendência agora é deixar a aparência bastante natural. Isso vai depender da quantidade do material aplicado em cada região e da técnica, da vontade do paciente e senso estético do profissional. Por isso, faz toda diferença optar por um especialista que tenha experiência no método e que avalie o seu rosto de forma individual, já que não há uma receita única para a aplicação da substância.

A partir de que idade pode começar a usar?
Mais importante do que a faixa etária da paciente, é saber se ela realmente precisa do tratamento. Mulheres jovens com tendência genética à formação de rugas podem usufruir da técnica de forma preventiva: ao relaxar determinado músculo, a toxina botulínica previne o aparecimento de um vinco mais profundo daqui a cinco ou dez anos.

Existem efeitos colaterais?
Podem ocorrer dor de cabeça logo após a aplicação e manchas roxas nos pontos das picadas. Gestantes, lactantes ou pacientes com problemas neurológicos não devem usar a substância.

Dói muito?
Você vai sentir as picadas da agulha, mas quem fez diz que é suportável. As pacientes mais sensíveis podem recorrer a um creme anestésico para passar sobre a pele antes da injeção ou gelo.

O resultado é imediato?
Não. O efeito começa a ser observado em três ou quatro dias, podendo demorar uma semana, mas o resultado final aparece mesmo depois de 14 dias. Por isso, entre o sétimo e o décimo quarto dia, o profissional deve marcar um retorno para verificar a necessidade de um retoque.

Quanto tempo dura?
Depende da quantidade da substância usada, da forma de aplicação e da resposta individual de cada paciente. Mas as estatísticas apontam para uma média entre quatro e seis meses de durabilidade. De qualquer forma, os especialistas não recomendam mais de duas aplicações por ano.

Em que casos o botox é indicado?
- Suavizar as linhas da testa, o vinco entre as sobrancelhas e os pés-de-galinha.
- Levantar os cantos da boca.
- Arquear as sobrancelhas.
- Arrebitar levemente a ponta do nariz.
- Disfarçar a gengiva aparente ao sorrir.
- Tratar dores de cabeça, bruxismo e distúrbios da articulação da mandíbula;

Ficou interessada e quer saber mais?
Agende uma consulta com nossa especialista.

 

VOCÊ SABIA QUE MASTIGAR CORRETAMENTE AJUDA NA DIETA?

15/08/2017

Por que a mastigação é tão importante na dieta?

Você tem o costume de comer com pressa e não dá muita importância à mastigação? Pois saiba que isso pode estar atrapalhando a sua dieta!

Você sabia que, em média, mastigamos o alimento 15 vezes antes de engolir, enquanto o recomendado é que cada porção seja mastigada de 30 a 50 vezes?

Mastigar é uma função essencial na prevenção dos distúrbios nas funções musculares da boca e rosto. Ela é responsável, ainda, pelo desenvolvimento dos ossos maxilares, pela modelagem dos ossos do rosto, manutenção dos arcos e encaixe dentário. Para fazê-la adequadamente, é necessário ter os dentes saudáveis, respirar pelo nariz, manter a boca fechada e a língua corretamente posicionada. Porém, alguns erros são frequentes na hora de começar a comer:

Mastigar inadequadamente pode levar a uma série de problemas no aparelho digestivo, como gastrite, dispepsias, úlcera, duodenites e doenças de refluxo. Isso acontece porque quando engolimos pedaços grandes e mal mastigados de comida, o estômago tem que fazer um esforço maior para triturá-los e digerí-los.

Além disso, mastigar errado tende a acarretar em aumento de peso, pois os alimentos não saem devidamente preparados para o intestino delgado e o organismo absorve mais do que deveria. Além do que, pode agravar o problema de quem já tem tendência a engordar. Por fim, quanto mais tempo o processo de mastigação levar, mais tempo o cérebro terá para receber a mensagem de saciedade do estômago.

Para evitar esses problemas, é necessário concentrar-se no alimento na hora de comer; fazer as refeições em locais tranquilos, sentado e com calma; mastigar bem a comida, de forma lenta e sem pressa; descansar os talheres no prato enquanto mastiga. É interessante também trocar os utensílios por opções menores, que transportem pequenas quantidades de alimento. Quando a mastigação ocorre de forma correta, com boa coordenação entre respiração e deglutição, é possível sentir o sabor dos alimentos com maior intensidade, provocando uma saciedade natural e uma boa digestão.

 

Mais que um implante curto, um novo mundo de possibilidades!

27/07/2017

Os implantes dentários são estruturas feitas de titânio e que servem para repor dentes perdidos; eles são instalados cirurgicamente no osso, tanto da maxila quanto na mandíbula. Para isso, precisamos de altura e largura óssea.

Muitos pacientes perdem os dentes precocemente, ou deixam para repor seus dentes depois de muito tempo, o que pode acarretar na remodelação dos ossos maxilares e consequente perda óssea, que pode ser, em muitos casos, severa. Isso, há pouco tempo, poderia até inviabilizar a instalação de implantes sem a necessidade de enxerto ósseo.

Os implantes curtos surgiram como uma alternativa aos enxertos ósseos, que são utilizados para permitir a colocação de implantes dentários em pacientes com grande reabsorção óssea. Nesses pacientes é indicado o implante curto combinado com implantes longos. A união de implantes dentais múltiplos é utilizada para a reabilitação de próteses sobre implante na região posterior tanto superior quanto inferior, para reduzir o risco relacionado à carga e evitar a perda do componente.

Mais do que uma nova técnica, trata-se de um implante curto com comprimento de 4mm, o que representa menos da metade ou até um terço do tamanho dos implantes tradicionais. Este implante é menos rigoroso em sua introdução, refere-se ao implante com conexão interna mais fino e mais curto do mercado.

Cada vez mais os pacientes buscam informações sobre procedimentos, antes mesmo de consultar o dentista. Normalmente, ao procurar um profissional, já estão bem informados e sabem exatamente o que querem e o que não querem. É comum que pacientes queiram a substituição dos dentes, mas não queiram passar por procedimentos traumáticos e invasivos e relutam, principalmente, em aceitar os procedimentos de enxerto ósseo.

Os implantes com comprimento reduzidos abrem um novo leque de possibilidades a estes pacientes. São indicados para uma ou mais próteses, que podem ser fixas ou removíveis em situações com bastante reabsorção óssea.

O importante, sempre, é avaliar o paciente individualmente e analisar o que é melhor para cada caso específico, pois o que se encaixa para um, pode não servir para outro. Dessa maneira, devemos sempre pensar em um profissional sério e especialista na área para evitar problemas futuros. Nossa clínica conta com uma equipe de dentistas que trabalha com tudo o que há de melhor e de maior confiança no mercado, pesquise e verás que nós estamos na frente, evoluindo para lhe oferecer o que há de melhor em implantodontia, pode confiar!

 

SORRISO BONITO ELEVA A AUTOESTIMA E A CHANCE DE COLOCAÇÃO PROFISSIONAL

26/05/2017

Que um sorriso bonito e bem cuidado é meio caminho andado para uma boa primeira impressão, todo mundo sabe. Mas você já parou para pensar nos “efeitos” de dentes esteticamente perfeitos no mercado de trabalho? Um dentista baiano sim. O especialista descobriu que, para os recrutadores, pessoas com dentes harmonicamente posicionados aparentam ser mais inteligentes e, consequentemente, têm mais chances de ficar com a vaga. O estudo, realizado em Feira de Santana, na Bahia, apresentou a cem profissionais de Recursos Humanos fotos reais de pacientes com necessidades de correção ortodôntica e imagens dos respectivos sorrisos modificados em computador. Em todos os casos, segundo o ortodontista Matheus Melo Pithon, os resultados demonstraram que as fotografias alteradas foram melhor avaliadas quanto à possibilidade de admissão do candidato.

De acordo com Pithon, a busca por correções estéticas vem aumentando em todas as faixas etárias e níveis socioculturais. A pesquisa comprovou que, além de melhorar a qualidade de vida, um sorriso perfeito ajuda a abrir portas importantes para o sucesso profissional. “Vivemos em uma sociedade em que a estética é muito valorizada e o sorriso é importante para ter uma boa aceitação social. É o cartão de visita. Entretanto, não se pode negar que a busca de tratamentos, principalmente entre pacientes da terceira idade, vem aumentando consideravelmente nos últimos anos, fato que pode ser atribuído ao aumento da expectativa de vida da população brasileira”, ressalta o especialista, doutor em ortodontia e professor-adjunto na Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia (UESB).

O estudo foi publicado em uma das mais importantes revistas especializadas em odontologia do mundo, a American Journal of Orthodontics and Dentofacial Orthopedics, e também investigou possíveis reflexos da dentição ideal em características como honestidade e eficiência no trabalho. Nos dois casos, porém, não houve diferenciação quanto às reações diante das imagens reais e das tratadas no computador.

As técnicas procuradas vão desde o tradicional clareamento dental (que pode ser feito em casa, com supervisão do dentista ou no consultório), às já conhecidas lentes de contato, que se tornaram populares ao transformar sorrisos como o do jogador de futebol Ronaldinho Gaúcho, da apresentadora Xuxa e do cantor Belo.

ESPECIALISTA EM RH: ¨CARTÃO DE VISITA¨NA BOCA FAZ DIFERENÇA

Ao contrário do que se pode pensar, a harmonia dental não é uma questão meramente estética, sobretudo quando considerado o acirrado mercado de trabalho brasileiro, disputado por mais de 12 milhões de desempregados.

De acordo com a presidente da Associação Brasileira de Recursos Humanos, seção Minas Gerais (ABRH-MG), Eliane Ramos, um bom cartão de visita faz toda a diferença na hora de conseguir um emprego.

Ao lado da capacidade de resolver problemas, de ser inovador e de realizar, com facilidade, conexões com as pessoas, um sorriso bonito e bem cuidado, assim como uma aparência harmoniosa, são critérios de desempate no momento da contratação.

O motivo, explica Eliane Ramos, é que uma boa aparência tem relação direta com a empatia, a capacidade e a facilidade de se relacionar positivamente com o outro. “A forma como o candidato se coloca diante do entrevistado é equivalente àquilo que ele faz, às suas habilidades. Não é bobagem nem futilidade. Essa questão do sorriso pode até parecer um preconceito com as pessoas, mas considero importante sim, é um cartão de visitas”, reforça.

SOCIABILIDADE

A presidente da ABRH-MG ressalta, ainda, que profissões que requerem um contato imediato, de atendimento ao público, exigem um sorriso ainda mais harmonioso e esteticamente bonito.

“Se a pessoa não está satisfeita com os próprios dentes, pode ficar mais retraída, acanhada, e isso acaba atrapalhando o atendimento dela no local de trabalho. Do viés comportamental, o sorriso tem relação direta com a sociabilidade, demonstra capacidade de comunicação e de estar aberto ao outro”, pondera a especialista.

Independente de tudo isso; sorrisos, como os bocejos, são contagiosos. Se você já se sentiu mais feliz simplesmente porque um estranho lhe deu um sorriso sincero e você respondeu com seu próprio sorriso, você sabe como o contágio feliz funciona e dá certo!

Além do mais, é mais provável você passar adiante aquela pequena explosão de felicidade, criando assim uma reação em cadeia de sorrir. Sorrir é gratuito, é fácil, e isso faz com que você (e outros) se sintam melhor!

FONTE: Hoje em Dia.

 

TRAUMATISMO DENTÁRIO

18/04/2017

Durante a infância é comum que as crianças levem milhares de tombos, por isso é importante que os pais saibam como proceder no caso de um acidente para conseguir “salvar” o dente ou, pelo menos, diminuir o dano causado.

As maiores complicações devido ao trauma, tanto nos dentes de leite como nos dentes permanentes, acontecem por falta de atendimento imediato e controle realizados no consultório pelo dentista.

O que os pais precisam saber:

• O dente permanente está sendo formado muito próximo a raiz do dente de leite, desde que a criança nasce. Assim, existe o risco de haver alguma sequela no dente permanente dependendo do tipo de trauma sofrido.

• Todo dente que sofre traumatismo tem que ter acompanhamento clínico e radiográfico no consultório, pois podem acontecer complicações decorrentes do trauma ao longo do tempo.

• Nem sempre o dente afetado por trauma apresenta alteração da cor e se houver, nem sempre isso indica perda de vitalidade do dente. Caberá ao profissional avaliar se haverá indicação de algum tratamento ou apenas continuidade do controle periódico.

• Mesmo os “pequenos” traumas nos dentes de leite, onde só há um leve sangramento, precisam de atenção.

O que fazer no caso de trauma dental:

• Se possível, procure entrar em contato com o Dentista imediatamente, em qualquer horário. Em alguns casos uma orientação adequada por telefone ajuda os pais a lidarem com a situação.

• Se houver muito sangramento, procure estancá-lo através de gaze, toalha, lenço ou gelo, a fim de ver de onde está vindo o sangue. Nos casos em que acontecem sangramento e/ou aumento da mobilidade do dente, pode ter ocorrido uma fratura de raiz, e o atendimento deve ser o mais rápido possível.

• Quando o dente sai parcialmente da posição (extrusão ou luxação), quanto mais rápido for reposicionado maiores são as chances de ser recuperado. Quando o dente permanente sai totalmente (avulsão dental), quanto mais rápido for reimplantado, maiores serão as chances de sucesso. Se conseguir, reposicione o dente no local da avulsão (sem tocar na raiz; pegue o dente pela coroa) e procure imediatamente o dentista. Caso contrário, coloque o dente num recipiente com leite, e deixe que o profissional faça o reimplante. Se isso acontecer com o dente de leite, o reimplante não está recomendado. Mas é muito importante que o profissional examine a criança o mais rápido possível.

• Se o dente “sumiu” e você não o encontrou, é possível que ele tenha sofrido uma intrusão total, ou seja, tenha entrado completamente no osso alveolar. O dentista irá radiografar e determinar o tratamento. Às vezes, essa intrusão (dente entrar) é parcial.

• No caso de quebrar uma parte do dente e esta for encontrada, coloque-a no leite, soro ou água e procure o dentista, pois dependendo do tamanho do fragmento, é possível fazer sua colagem no dente, recuperando-o esteticamente.

Quer saber mais, entre em contato com nossos profissionais que lhe daremos toda a atenção necessária e tiraremos todas as suas dúvidas.

 

QUAL O APARELHO MAIS ADEQUADO PARA O MEU CASO?

04/03/2017

Quer saber mais sobre seu caso específico mande seu nome, telefone, whatsapp, email ou face que entraremos em contato para explicar tudo.

O tratamento ortodôntico pode ser iniciado em crianças a partir dos 6 anos (ortodontia preventiva). Nessa idade, os dentes estão em desenvolvimento e os ossos da face em crescimento; por isso, alguns problemas podem ser mais fáceis de tratar, prevenindo complicações ou tratamentos ortodônticos futuros, como o aparelho fixo.

Já em adolescentes e adultos (ortodontia corretiva), podemos aplicar diversas técnicas e sistemas de aparelhos fixos, de acordo com a necessidade de cada caso. Como exemplo, podemos citar o aparelho convencional metálico que é o dispositivo mais tradicional. Esse sistema necessita das borrachinhas (ligaduras coloridas) que prendem o fio ao aparelho.

Já os aparelhos cerâmicos e de safira apresentam o mesmo funcionamento do convencional, porém, são mais estéticos e discretos por serem da cor do dente ou transparentes, chamando menos atenção quando o paciente sorri.

Também, pode ser usado o aparelho auto-ligado, que é mais eficiente que o convencional e não necessita da borrachinha, pois possui um dispositivo no próprio braquete que prende o fio ao aparelho. Esse sistema possui um menor atrito, o que permite aplicar forças mais leves e torna seu uso menos incômodo ao paciente. Essa técnica pode ser indicada para aqueles pacientes que possuem pouco tempo no dia-a-dia, pois as manutenções podem ser realizadas a cada 2 meses. Podem reduzir o tempo de tratamento e em alguns casos evitar as extrações dentárias.

Para os pacientes mais exigentes com a estética existem os alinhadores invisíveis, que são placas totalmente transparentes e invisíveis, dispensando o uso dos braquetes. Diferentemente dos aparelhos fixos, a placa pode ser retirada para a realização das refeições e demais atividades. Conforme a evolução do tratamento, os alinhadores são trocados para que a movimentação chegue ao resultado pretendido.

Portanto, independente da técnica ou sistema o mais importante é o diagnóstico e planejamento corretos.

Quer saber mais sobre seu caso específico mande seu nome, telefone, whatsapp, email ou face que entraremos em contato para explicar tudo.

 

O QUE VOCÊ PODE FAZER PELA BOCA DO SEU FILHO?

15/02/2017

Escovar os dentes é uma necessidade de saúde e deve ser introduzida na vida das crianças desde muito cedo. O problema é que, por ser uma obrigação diária, muitas vezes acaba virando uma “chatice” na visão dos pequeninos. Nessa hora, é importante que os pais saibam como introduzir o hábito de maneira leve e divertida para os pequenos pegarem gosto pela coisa.

Tornar a escovação um momento de diversão e interação entre pais e filhos é a chave para o sucesso da aprendizagem. Quanto mais criativas forem as abordagens, sem deixar de lado o processo correto, mais fácil e prazeroso será essa obrigação.
A companhia e a supervisão dos pais são fundamentais até os sete anos; após essa idade, entende-se que a criança já tenha coordenação para escovar os dentes sozinha e capacidade de entendimento da sua importância.

Algumas dicas para tornar essa obrigação algo divertido:

– Comece com uma abordagem diferente: ao invés de: “é hora de escovar os dentes”; tente: “vamos brincar juntos de escovar os dentes?”

– Cante músicas. Podem ser já famosas (existem muitos desenhos animados que trabalham com a dinâmica da escovação) ou criadas por você especialmente para o momento.

– Faça caretas e vozes divertidas que costumam arrancar sorrisos do seu filho.

– Cada vez que ele fizer algum movimento certo, o elogie.

– Tente brincadeiras como “O mestre mandou”. Primeiro faça você os movimentos corretos da escovação para que ele imite. Não esqueça o fio dental; depois peça para que ele seja o mestre, para ver se ele realmente aprendeu.

O que não pode ser esquecido nessa hora:

- o uso de creme dental com flúor deve ocorrer desde o nascimento do primeiro dente de leite. Os pais devem ler o rótulo e procurar por produtos que tenham uma concentração de flúor entre 1100 e 1450 ppm (partes por milhão). Nos cremes dentais infantis, o que muda é o sabor, geralmente mais atraente para esse público, mas a eficiência é a mesma. Se tiver concentração inferior a 500 ppm, não protege das cáries.

- escova correta (melhor indicação para cada idade – importante que tenha cabeça pequena e cerdas macias).

- quantidade de pasta usada em cada escovação: a recomendação para as crianças de até 2 anos é uma quantidade que equivale ao tamanho de um grão de arroz cru. Depois disso, os pais podem aumentar gradativamente, até o tamanho de um grão de ervilha para os maiores. Se os pais usarem essa quantidade, não ultrapassam 30% da margem de segurança de deglutição de flúor, ou seja, ainda que a criança engula o creme dental, ela não correrá riscos de ter nenhum problema por conta disso.

Para evitar qualquer tipo de problema com a escolha da pasta e do momento certo para iniciar o uso da escova e do creme dental; é fundamental, que os pais levem os filhos ao dentista assim que surgir o primeiro dente.

Fonte :Terra saúde e Sorridents clinica

 

POR QUE SE PREOCUPAR COM O ALINHAMENTO DOS DENTES?

13/12/2016

As vantagens de investir no alinhamento dos dentes, na questão estética, são inúmeras. Um sorriso harmonioso transmite equilíbrio, simetria e mais confiança, além de conquistar os outros ao seu redor. Porém, os benefícios que um bom alinhamento dos dentes pode promover não param no quesito estético. Um belo sorriso pode promover melhorias na saúde, prevenir problemas e melhorar a autoestima.
Por isso, optar pelo alinhamento dentário pode ser uma ótima oportunidade para promover uma série de benefícios na sua rotina. Vamos descobrir as principais maneiras de fazer isso acontecer?

MAIS SAÚDE

Dentes alinhados, bem posicionados e uma arcada harmoniosa são fatores decisivos para promover melhorias significativas na saúde. Entre as muitas vantagens, eles podem promover:
1- uma melhor mastigação de alimentos
2- melhora na respiração durante as refeições e em um aspecto geral;
3- correção de exposições da raiz do dente, que podem causar sensibilidade nos dentes ou o desgaste precoce deles;

PREVENÇÃO DE PROBLEMAS

Alinhamentos dentários também diminuem as chances do aparecimento de doenças relacionadas à saúde bucal.
Por exemplo, dentes desalinhados podem causar traumas dentários pela má mastigação e, em casos mais graves, inflamação nos músculos da mandíbula, perda óssea, trauma oclusal, ATM etc.
Outros problemas desencadeados pela falha na saúde bucal também podem ser evitados, como, por exemplo, problemas de coluna, dores de cabeça, problemas cardiovasculares e obesidade.
Tudo isso a partir do alinhamento dentário, veja só. Trata-se muito mais de uma questão de saúde do que relacionada à estética bucal, no fim das contas.
.
MELHORA NA AUTOESTIMA

Segundo diversos estudos, como o da doutora Renata Avighi, especialista em transformação dos sorrisos, apresentar problemas bucais causam reduções extremas na autoestima, que podem ser prejudiciais para a saúde dos indivíduos e provocar outros problemas como depressão, ansiedade e baixa autoestima.
Com isso, cuidar do alinhamento dentário se tornou essencial para manter-se em harmonia consigo mesmo, em seu convívio social e que se sinta valorizado em seu círculo de contatos. Além disso, deixa o indivíduo seguro em atividades como falar, beijar, tocar instrumentos, cantar e sorrir e que dependem da saúde e estética dos dentes.

MERCADO DE TRABALHO

Uma pesquisa realizada pela empresa de métricas estadunidense Kelton Global mostrou que o famoso ditado “a primeira impressão é a que fica” é verdadeiro. Estima-se que a primeira impressão demora uma fração de segundos para se formar e, depois disso, a tendência em entrevistas de emprego é que ela se comprove e dificilmente mude a opinião do entrevistador.
Isso acontece porque os seres humanos são absolutamente sociais, e precisam identificar rapidamente expressões faciais e se identificar em outras pessoas características que considerem agradáveis. Segundo a mesma pesquisa, em entrevistas de emprego, pessoas sorridentes têm 58% mais chances de serem contratadas do que pessoas que mantiveram o semblante fechado ou sério. Cumprimentar o entrevistador com um sorriso franco também aumentam as chances consideravelmente.
Além disso, uma pesquisa da UFRJ (Universidade Federal do Rio de Janeiro) que mediu o impacto de cada um dos elementos da face – como os olhos, nariz, boca, queixo e proporcionalidade – e chegou aos resultados de que 40% da beleza dos indivíduos é explicada pelo sorriso. Sendo assim, dentes bem alinhados podem abrir as portas que você precisava para o mercado de trabalho.
.
ALINHAMENTO DENTÁRIO EM TODAS AS ETAPAS DA VIDA

Independentemente da etapa da vida em que você estiver da sua vida, o alinhamento dentário pode ser realizado para remediar todo tipo de má oclusão.
Isso significa que, após a mudança de dentição dos dentes de leite para os definitivos, não há restrição de uso para os aparelhos ortodônticos, tornando a adaptação para um sorriso perfeito muito mais harmônica e prática.
Vale lembrar que os dentistas não fazem restrições quanto à idade inicial recomendada para o alinhamento dentário (apenas que os dentes definitivos já estejam desenvolvidos). Toda hora é uma boa hora para se preocupar com a saúde bucal.
Para pessoas com mais de 60 anos de idade, uma boa notícia também: o cuidado com a saúde bucal pode ser significativo para trazer mais autoestima, já que a perda de dentes — bastante comum nessa etapa da vida — contribui para um agravamento da felicidade da pessoa.

TRATA PROBLEMAS RELACIONADOS

Além da prevenção de problemas que citamos em tópicos anteriores, o alinhamento dentário também é fundamental para tratar, indiretamente, problemas ocasionados dentro da própria boca.
É o caso, por exemplo, do bruxismo, uma desordem de cunho funcional que faz as pessoas rangerem ou pressionar os dentes excessivamente — seja durante o dia ou durante as horas de sono, o que ocorre com mais frequência.
A explicação, aqui, é simples. O alinhamento dentário permite que os sintomas sejam aliviados, à medida que um tratamento específico para essa desordem seja iniciado.
Vale, apenas, a menção de que um bom alinhamento dentário contribui indiretamente para o tratamento do bruxismo, especificamente. Caso você sofra com esse distúrbio, a melhor hora para iniciar um tratamento dentário pode ser agora.

Fonte:Invisalign

 

CONHEÇA A HISTÓRIA DA ESCOVA DE DENTES!

26/09/2016

Os homens das cavernas podiam não conhecer a escova de dentes, mas tentavam limpá-los com galhos e folhas de árvores. Os assírios usavam as mãos e dedos. Manuscritos encontrados na antiga Babilônia indicam que palitos de ouro eram utilizados para a higiene bucal há 3.500 anos a.C. Já os gregos, lançavam mão de penas de abutres e espinhos de porco-espinho.

No século XV, na China, a matéria-prima para as escovas eram pelos de animais, principalmente de porcos e cavalos, que eram amarrados a pedaços de ossos ou varas de bambu. O problema é que as escovas machucavam a boca das pessoas, além de os pelos acumularem umidade e acabarem mofando. Para agravar a situação, as famílias compartilhavam a mesma escova; transmitindo, assim doenças bucais uns para os outros.

Foi no século XVIII, que ingleses apresentaram ao mundo uma escova dental mais moderna. A diferença é que as cerdas de pelo de porco eram amarradas dentro de buracos perfurados no osso que servia como cabo. A escova mais antiga da Europa tem aproximadamente 300 anos e foi descoberta durante escavações arqueológicas em um antigo hospital municipal de Minden, na Alemanha.

Escovas com cerdas de náilon foram desenvolvidas em 1938 por Robert Hutson, nos Estados Unidos. Com o sucesso do novo modelo, muitos formatos foram testados desde então. Hoje, sabe-se que o mais indicado é usar escova com fibras ultra macias e com aproximadamente cinco mil cerdas, o que permite que a higiene seja feita sem desgastar o esmalte dental ou machucar as gengivas (a escova que mais se aproxima disso, é a da marca Curaprox). É bom que se diga também, que a escovação deve ser realizada sempre com escovas novas, de forma suave (sem força excessiva).

FONTE: Terra - saúde bucal

 

RESPIRAÇÃO BUCAL: RISCOS E PROBLEMAS

07/09/2016

Atualmente, os problemas respiratórios na infância estão cada vez mais frequentes, porém pouca gente sabe, da relação desses problemas, principalmente nas crianças que respiram constantemente pela boca, com os problemas ortodônticos, a maloclusão dentária.
A respiração é junto com a mastigação, um dos principais fatores que contribuem para o correto desenvolvimento dos ossos maxilares e consequentemente um correto posicionamento dos dentes.

Quando a criança passa a respirar pela boca, várias alterações começam a ocorrer:
Passa a manter a boca aberta a maior parte do tempo
A língua passa a ficar mais baixa, junto ao assoalho da boca, em contato apenas com os dentes de baixo
A criança, para facilitar a respiração bucal, projeta a cabeça para a frente, esticando o pescoço, mudando a postura da coluna cervical

Essas alterações, junto com a inversão da passagem do ar (o ar passa a entrar e sair pela boca e não pelo nariz) aos poucos vão trazendo alterações para os ossos maxilares, para as arcadas dentárias e para o posicionamento correto dos dentes.
As principais alterações que vemos são o céu da boca alto e estreito, as mordidas cruzadas (quando os dentes de cima encaixam por dentro e os de baixo por fora) que podem ser uni ou bilaterais, as mordidas abertas (quando os dentes da frente não se tocam, ficando um espaço entre eles), os apinhamentos dentários (pela falta de espaço os dentes ficam amontoados) e as retrusões mandibulares (falta de crescimento da mandíbula, o osso onde ficam os dentes de baixo, deixando um espaço horizontal grande entre os dentes anteriores de cima e os de baixo).
As causas principais do aparecimento da respiração bucal são as obstruções das vias aéreas superiores, e podem ser devido à:
Obstruções nasais por alergias (Rinites e Rinosinusites)
Hipertrofia de cornetos
Desvio de septo
Adenoides aumentas
Amídalas aumentadas

A respiração bucal, hoje, pelo conjunto de sinais e sintomas associados a ela, é conhecida como a Síndrome do Respirador Bucal.
O respirador bucal além das características descritas acima ainda apresenta uma face característica, com:
Nariz estreito
Narinas afiladas
Lábio superior curto
Boca entreaberta
Olheiras acentuadas

Também pode apresentar baixo rendimento escolar, ser irrequieto, sonolento, apresentar cansaço intenso com pouco exercício físico, Ronca e baba a noite e é um forte candidato a apresentar apneia do sono, ainda na infância.

É um problema sério, que envolve para o seu tratamento, vários profissionais. Em geral, o tratamento da respiração bucal envolve os médicos, principalmente o Otorrinolaringologista, que vai tratar as causas da obstrução nasal, o dentista: Ortodontista, que vai atuar nas sequelas bucais da respiração bucal, corrigindo os dentes e arcadas dentárias, bem como Fonoaudióloga e Fisioterapeuta.

Como toda alteração que envolve o crescimento e desenvolvimento dos ossos maxilares e arcadas dentárias, o tratamento ortodôntico das sequelas da respiração bucal deve ser o mais precoce possível, mesmo enquanto a criança ainda tem os dentes de leite, para que essas alterações não se perpetuem durante o crescimento da criança, tornando mais difícil seu tratamento no futuro.

Fonte: ABC da Saúde

 

A TROCA DOS DENTES DE LEITE E A HISTÓRIA DA FADA DO DENTE

15/07/2016

O momento da troca dentária é sempre um período de grande ansiedade tanto para os pais quanto para as crianças e é importante que alguns detalhes sejam esclarecidos, para que todos possam passar por essa fase de transição com mais tranquilidade. Esses eventos começam a ocorrer entre os cinco e os sete anos de idade, podendo variar de criança para criança.

A lenda da Fada do Dente diz que quando uma criança perde um dente de leite, deve deixá-lo embaixo do travesseiro e durante a noite, uma fada pequenina, com asas brilhantes, roupa de bailarina, uma varinha de condão com um dente na ponta e um pequeno saquinho, irá pegar o dentinho. Em troca, a fada deixa uma moeda, ou pequeno presente para a criança que foi corajosa ao tirar o dentinho.

Histórias sobre a Fada do Dente circulam desde o início do século XX, embora ninguém saiba sua origem exata. Trocar “dentes de leite” por presentes é algo que remonta aos Vikings, mais de mil anos atrás.

No folclore da Europa Ocidental, acreditava-se que os dentes deveriam ser guardados ou queimados para que não os procurássemos após a morte ou para que não caíssem no poder de bruxas, que os usariam em feitiços. Era dever dos pais cuidar para que os dentes dos filhos não caíssem em mãos erradas.
Na Espanha, a Fada dos dentes dá lugar a um rato – O Rato Pérez. Há, no entanto, outros países que não usam como coletor de dentes nem a fada nem o rato. Na Itália existe um duende – O Topino. Na Catalunha, acreditavam que eram os Anjos que recolhiam os dentes das crianças e que, em troca, deixavam coisas agradáveis.

Seja uma Fada, um Duende, um Ratinho ou um Anjo, todos eles têm o mesmo objetivo:

Tentar minimizar o desconforto da perda de um dente;
Tornar a troca dos dentes algo mágico, um tanto misterioso;
Compensar a perda de ¨uma parte¨ da criança, para diminuir o trauma.

No episódio da Peppa Pig, é clara a sua ansiedade esperando a Fada do Dente, desviando a atenção da perda em si. Não é em vão que essa porquinha faz tanto sucesso entre os pequenos.

 

DIFERENÇAS ENTRE O HERPES LABIAL E AS AFTAS

28/06/2016

Existem alguns diferentes tipos de enfermidades que acometem a região da boca, sendo o herpes labial e a afta as mais comuns. Embora ambas sejam feridas na boca e tenham algumas características parecidas, como o incômodo que causam; as duas são patologias bastante diferentes.

A primeira grande diferença está no fato de o herpes labial ser uma doença infecciosa e contagiosa, sendo causada por um vírus; enquanto que, a afta não é infecção e nem é contagiosa.

O que é herpes labial

Herpes labial é uma infecção contagiosa causada pelo vírus chamado Herpes simplex tipo 1, e se manifesta através de lesões como pequenas bolhas dolorosas na pele ao redor da boca, na parte exterior dos lábios do paciente. Passados alguns dias, as bolhas se rompem e dão lugar a pequenas crostas no local afetado.

O que é afta

A afta é uma inflamação não contagiosa que acontece dentro da cavidade oral, em forma de úlceras, podendo atingir a parte interna da bochecha, a mucosa labial, a língua, a gengiva e os sulcos internos da boca. A ferida, única ou múltipla, é bastante dolorosa, de formato oval ou arredondado, com bordas bem delimitadas e o centro geralmente acinzentado.

Principais sintomas e causas

Pacientes com herpes costumam sentir incômodo, coceira, maior sensibilidade ou formigamento na região até dois dias antes das lesões surgirem. Em alguns casos, pode haver febre, especialmente na primeira ocorrência da doença. Pode haver também o surgimento de linfonodos no pescoço. A causa da doença é a contaminação pelo vírus e a reincidência pode ocorrer em momentos de estresse e instabilidade emocional ou exposição excessiva ao sol.

Já no caso das aftas, o surgimento começa com uma lesão pequena que cresce com o passar dos dias. Pode ocorrer também após algum trauma, como mordida no próprio lábio ou bochecha, movimento brusco na hora da escovação ou uso de aparelho ortodôntico. Outras causas da afta são o estresse, a baixa imunidade, a predisposição genética, a ingestão de frutas cítricas, vinagre, pimenta ou alimentos/líquidos muito quentes.

Cuidados e tratamento

O herpes labial não tem cura e costuma ser recorrente. As bolhas tendem a desaparecer em um período de uma semana, mesmo que nada seja feito, com a crosta secando e cicatrizando, mas o médico ou dentista podem prescrever medicamentos antivirais para amenizar a infecção.

É importante lembrar que a doença pode ser transmitida durante sua manifestação através de contato físico, como o beijo, e compartilhamento de objetos, como copos e talheres.

A afta costuma desaparecer em um período de sete a dez dias. Pomadas analgésicas podem ser utilizadas para aliviar temporariamente o incômodo. Dependendo da gravidade da ferida, o médico ou dentista pode prescrever um antibiótico.

FONTE: Blog MD.SAÚDE e Tepe

 

O QUE DOENÇA DE ALZHEIMER E DOENÇA PERIODONTAL TEM A VER?

04/06/2016

A doença de Alzheimer é a mais frequente forma de demência em pessoas acima de 65 anos. A patologia neurodegenerativa, que muitas vezes começa com a perda de memória recente, provoca o declínio das funções intelectuais, como orientação no tempo e no espaço, aprendizado, linguagem, comunicação e até a capacidade de realizar tarefas cotidianas.
Esse declínio é progressivo, irreversível e interfere no comportamento, na capacidade de julgamento e na personalidade dos pacientes, reduzindo suas capacidades de trabalho e suas relações sociais. Existem tratamentos capazes de minimizar os sintomas, mas ainda não foi encontrada a cura definitiva para a doença.
Mas o que isso tem a ver com a saúde bucal? Estudos recentes indicam que há uma relação dessa doença com as doenças periodontais, mas vamos explicar melhor.

O que é doença periodontal?

Causada por micro-organismos presentes na placa bacteriana, a doença periodontal é a principal causa de perda dental, já que afeta os tecidos de suporte e sustentação dos dentes. Esse tipo de doença geralmente tem caráter crônico e caracteriza-se pelas inflamações que se dão nas gengivas e afetam a estrutura dos dentes.
Pode ser evitada através de uma higienização adequada e do cuidado com os hábitos alimentares.

Qual a relação entre Alzheimer e doença periodontal?

A Periodontia, ciência que previne, diagnostica e trata doenças das gengivas e dos tecidos de sustentação dos dentes, tem direcionado seus estudos na busca da relação entre a doença periodontal e os possíveis agravos que pode trazer à saúde sistêmica.
Sabe-se que as enzimas e os mediadores inflamatórios envolvidos na dinâmica da doença periodontal não se limitam a agir na cavidade bucal e podem provocar quadros infecciosos e inflamatórios em outras regiões.
As bactérias presentes nas inflamações da boca podem chegar à corrente sanguínea e alcançar outras partes do corpo, inclusive o cérebro, causando respostas inflamatórias capazes de levar à destruição de neurônios. Estas inflamações, por sua vez, provocam problemas de memória e demência.
Em outras palavras, uma inflamação na gengiva pode enviar toxinas ao cérebro, intensificando o processo de desaceleração típico da doença de Alzheimer. Isso porque as bactérias desencadeiam uma resposta do sistema imune, o que mata células cerebrais e ocasiona alterações na região.

Um estudo feito pela UClan, do Reino Unido, comparando amostras de 10 pacientes com demência e 10 outros que não desenvolveram a doença de Alzheimer, apontou que na análise foi possível perceber a presença da bactéria Porphyromonas Gingivalis nos cérebros afetados pelo Alzheimer. Essa bactéria normalmente é encontrada na cavidade oral e pode entrar na corrente sanguínea até mesmo através da mastigação.
Isso não quer dizer que todas as pessoas com problemas de saúde oral terão a doença de Alzheimer, mas é mais um motivo para que haja um maior cuidado com a higienização da boca, não é mesmo? Além disso, várias outras doenças, também estarão sendo evitadas com o simples cuidado da higiene oral.

FONTE: TePe

 

ODONTOLOGIA E A GESTAÇÃO

26/04/2016

Há cada vez mais evidências sugerindo uma propensão de gestantes portadoras de enfermidades gengivais darem à luz a bebês prematuros e abaixo do peso normal. Outros estudos devem ainda ser feitos para estabelecer de que maneira essas enfermidades gengivais afetam a gestação. Parece que essas doenças aumentam os níveis dos fluidos biológicos que estimulam o trabalho de parto. Os dados também sugerem que quando uma enfermidade gengival piora durante a gravidez, o risco de o bebê nascer prematuro aumenta.

O ideal seria a gestante fazer um pré-natal odontológico também; porém, existem muitas crenças negativas associando a gravidez e a visita ao dentista. Muitas pessoas acreditam que o tratamento odontológico possa ser perigoso ou prejudicial ao feto, o que não é verdade. Os riscos durante o tratamento odontológico são menores que os riscos que problemas bucais podem causar à mãe e ao bebê. Antes de tudo, a gestante precisa ter saúde. O nível de saúde da mãe tem relação com a saúde bucal das crianças.

Em qualquer idade gestacional, ela poderá ser atendida, embora o segundo trimestre seja o momento mais oportuno, porque, nessa fase ela se encontra num período de maior estabilidade. Gestantes podem, inclusive, realizar tratamento odontológico com anestesia local, desde que o dentista conheça o efeito dos anestésicos e as alterações que ocorrem durante a gravidez. As gestantes podem apresentar uma elevação da pressão arterial e isso deve ser levado em conta.

Os\"dentes de leite\" do bebê começam a se formar a partir da 6ª semana de gestação e os dentes permanentes, a partir do 5º mês de vida intrauterina.
Dessa forma, condições desfavoráveis durante a gestação (ex.: uso de medicamentos, infecções, carências nutricionais etc.) podem trazer problemas nos dentes em fase de formação e mineralização.

Após o nascimento, durante o primeiro ano de vida do bebê, temos a amamentação natural de suma importância para a prevenção de más oclusões; além, é claro, da importância afetiva e nutricional. O exercício muscular durante a sucção no seio favorece a respiração nasal e previne grande parte dos problemas de posicionamento incorreto dos dentes e das estruturas faciais.

Quanto à primeira visita ao odontopediatra, essa deve acontecer por volta da erupção dos primeiros dentinhos de leite, ocasião em que os pais receberão orientações a respeito das causas e da transmissão da cárie, da alimentação, da limpeza dos dentes do bebê e do uso adequado do flúor. A educação em saúde assegura a chance de a criança crescer sem problemas bucais.

FONTE: Terra e Revista da APCD

 

CUIDADOS ODONTOLÓGICOS EM PACIENTES COM CÂNCER

12/04/2016

A incidência dos mais diversos tipos de câncer tem aumentado assustadoramente nos últimos anos no Brasil e no mundo. Isso certamente se deve a piora significativa na qualidade de vida das pessoas, no que diz respeito a estresse, alimentação, fumo, álcool e etc. Porém, felizmente, muitos tipos de câncer outrora incuráveis, hoje são tratáveis através de cirurgia, radio e/ou quimioterapia. No entanto, a radioterapia na região de cabeça e pescoço e a quimioterapia produzem inúmeros efeitos colaterais como inapetência (falta de apetite), alopecia (queda de cabelo), fraqueza e mucosite. A mucosite consiste na presença de inflamação generalizada nas mucosas da boca (comparáveis à presença de dezenas de aftas) que muitas vezes impedem os pacientes de se alimentar e até mesmo de ingerir líquidos, o que culmina com a interrupção do tratamento quimioterápico.
Além disso, cada lesão na boca é uma porta aberta para a entrada de micro-organismos num paciente que possui seu sistema imunológico debilitado.
Dessa maneira, o tratamento do câncer deve começar pela boca. Os cuidados odontológicos são fundamentais no processo de recuperação do paciente oncológico e devem iniciar antes mesmo da quimioterapia, radioterapia, cirurgia etc.
O objetivo do tratamento odontológico prévio ao tratamento oncológico é eliminar ou estabilizar as condições bucais para minimizar a infecção local e sistêmica, durante e após o tratamento do câncer, consequentemente, aumentar a qualidade de vida do paciente.
As manifestações indesejadas na boca, provocadas pelo tratamento contra o câncer, costumam aparecer imediatamente após o início do processo. As mais comuns são:
• Dificuldade para falar, se alimentar e engolir, provocadas pela diminuição da saliva e sensação de boca seca;
• Inflamação e dor na mucosa bucal;
• Aumento de bactérias – cáries, gengivite e periodontite;
• Infecções oportunistas por fungos e vírus.

Caso o paciente tenha alguma dessas manifestações, o agravamento do quadro pode interromper o tratamento contra o câncer. Daí a importância dos cuidados com a saúde bucal.

Fonte: Odontologia Oncológica do Einstein

 

DORES NA COLUNA CERVICAL PODEM TER ORIGEM NA BOCA!

29/03/2016

Você não tem tempo para comer direito e vive beliscando qualquer coisa. Esse hábito cada vez mais comum, aliado a problemas bucais, pode resultar em dores na coluna cervical. Tudo começa com a consistência da comida que ingerimos atualmente. Elas são mais fáceis de mastigar e isso faz com que a musculatura da face deixe de exercer a função para a qual ela foi criada. “Mastigar bem produz um relaxamento da musculatura”, diz o cirurgião dentista Lauro Delgado, especialista em estética e reabilitação oral da clínica Odonto Integrada Delgado, de São Paulo. Ele explica que a falta de mastigar alimentos mais duros, aliada a problemas bucais como contato prematuro (ao fechar a boca um dente tem contato antes que os demais), uma restaurção mal feita ou o apinhamento dental resultam em problemas de mordida que quase sempre geram uma disfunção na articulação temporomandibular, mais conhecida como ATM. E, numa sucessão de mordidas erradas, desgastes e compensações, o corpo se encarrega de adequar, nesse caso negativamente, articulações, músculos e ossos, que resulta em dores na coluna cervical.

“Estudos realizados na Europa e nos Estados Unidos mostram a forte relação entre a postura corporal com atividades vitais como respiração e, principalmente, alimentação”, explica Francisco Rogério Aguiar de Menezes, cirurgião dentista, bucomaxilofacial e chefe das equipes de cirurgia e traumatologia bucomaxilofacial dos hospitais São Camilo e Samaritano, na capital paulista.

Ele lembra que a coluna vertebral também envolve uma série de nervos, tendões, músculos e ligamentos que doem quando há algo errado e que não é comum as pessoas relacionarem problemas bucais com alterações no organismo. “No geral, quando sentem dores nas costas, as pessoas procuram um especialista em coluna, um ortopedista, mas na consulta descobre-se que a origem do problema está na boca”, diz o doutor Lauro. “Quando a mordida não é perfeita, a mandíbula se desvia lateralmente para fazer o ajuste e compensar o desequilíbrio”, acrescenta. Como resultado, temos uma mordida desalinhada e a mandíbula sobrecarregada de um só lado. Dessa forma, os músculos do pescoço, e a seguir da coluna cervical, acompanham esse novo posicionamento na tentativa de compensar o desvio causado na boca. “Assim, temos um problema desencadeado e, a seguir, refletido na coluna cervical”, diz ele.

Menezes enfatiza que o estresse torna o quadro ainda mais complicado. “O estresse é causador e agravante de quase todos os problemas físicos”, afirma. Mas como o processo para que esses problemas apareçam é de longo prazo, a prevenção é muito importante. “Em alguns casos, mesmo com a correção dos dentes, a dor na coluna cervical não é resolvida, pois devido ao tempo, já ocorreram lesões sérias”, afirma. “É preciso procurar um dentista com regularidade para avaliar a mordida, o hábito de mastigação e prestar atenção na qualidade da alimentação. Comer maçã, laranja com bagaço e pão italiano, por exemplo, é muito bom”, alerta o doutor Lauro.

“As pessoas procuram o dentista pela dor ou pelo amor”, brinca Lauro, lembrando que a visita ao profissional é feita por questões estéticas ou quando surge uma dor. Mas o mau posicionamento dos dentes ou a sua falta podem ter consequências mais sérias. “Se uma pessoa perde os dentes de trás ela passa a mastigar com os da frente. Portanto, mastiga pouco e produz menos enzimas que auxiliam na digestão”, diz ele. “Isso sobrecarrega o estômago e pode resultar em dores gástricas e até mesmo numa gastrite”, completa o doutor Francisco.

O tratamento para problemas desse tipo, que atinge principalmente pessoas acima dos 30 anos, mas têm também aparecido em adolescentes, é multidisciplinar. Além do diagnóstico e da eliminação das causas, pode requerer o envolvimento de fisioterapeutas.
Fonte: Odontosites.

 

O CORTE DO FREIO LINGUAL

21/03/2016

O corte do freio da língua não deve ser feito tendo como base apenas a observação. É recomendado somente em casos específicos. O freio da língua é uma fina membrana que une a língua ao pavimento da boca. Em cerca de 5% dos recém-nascidos esta membrana pode ser muito curta, fazendo com que a língua fique ‘presa’ e incapaz de se movimentar normalmente. O pediatra do seu bebê pode verificar facilmente se o freio da língua é curto durante o exame de rotina, logo nas primeiras consultas. Existem vários problemas potenciais associados a um freio da língua curto: o mais frequente e imediato é o bebê ter dificuldade em fazer uma sucção adequada e, desta forma, ter dificuldade para mamar. Outro potencial problema, que surge apenas mais tarde, está relacionado com dificuldades na linguagem, por a criança não ser capaz de articular de forma correta alguns sons. Além disso, uma criança com o freio curto tem mais dificuldade em espalhar a saliva na sua boca e dentes e desta forma, está mais suscetível a vir a ter cárie dentária. Até alguns anos, qualquer freio que na observação direta parecesse um pouco curto era imediatamente cortado. Hoje já existe uma maior tolerância para esta situação, pois sabemos que o freio tem tendência a crescer ao longo do tempo. Por esta razão, a Academia Americana de Pediatria recomenda que o corte do freio da língua não deve ser feito tendo como base o seu tamanho na observação, mas apenas nos casos em que está prejudicada a amamentação (nos primeiros dias de vida).
Fonte: Pais & Filhos.

 

Uso de pasta de dente com flúor desde a erupção dos primeiros dentes

20/01/2016

Crianças de todas as idades devem usar pastas de dente com flúor para prevenir cáries. Pode parecer óbvio, mas a utilização de creme dental fluoretado nem sempre foi recomendada por dentistas e médicos pediatras. A associação do flúor com a fluorose, uma condição responsável por manchinhas brancas nos dentes permanentes, fazia com que a prática fosse questionada no passado.

Mas uma recomendação da Associação Brasileira de Odontologia, do Ministério da Saúde e de órgãos da classe, como a Associação Brasileira de Odontopediatria e a Sociedade Brasileira de Pediatria, baseada em pesquisas internacionais, fez com que o uso de creme dental convencional com flúor a partir da erupção dos primeiros dentes, na quantidade equivalente a um grão de arroz, se tornasse uma regra no país.

Por falta de atualização, ainda hoje há muitos dentistas e pediatras orientando de forma errada seus pacientes. Além de serem mais caras, as pastas sem flúor, deixam os dentes desprotegidos. Quais seriam, então, as recomendações?

- uso de um creme dental fluoretado de, no mínimo, 1100 ppm de flúor, duas vezes ao dia como coadjuvante da limpeza dos dentes de todas as crianças. Fique atento às embalagens, pois esse é o teor mínimo de flúor indicado;
- a quantidade ideal é de apenas uma lambuzadela (¨grão de arroz cru¨) de creme dental fluoretado para crianças menores de dois anos de idade. Para crianças que já sabem cuspir, recomenda-se a quantidade equivalente a um grão de ervilha;
- o uso de creme dental fluoretado é indicado para os cuidados bucais de casa, sob o acompanhamento dos pais;
- na escola, onde não se tem controle total sobre sua correta utilização, é indicado o uso de creme dental sem flúor.

 

 

ENDEREÇO ESTRELA

  • Rua Coronel Mussnich, 805, 2º andar
    Sala 01, Centro, Estrela/RS
    (Próximo ao Hospital Estrela)
  • Telefone: 51 3720-3742
  • Celular: 51 99388-0096
  • Email: sorrisodovale@gmail.com
  • Website: www.clinicasorrisodovale.com.br

ENDEREÇO LAJEADO

  • Rua Irmão Emílio Conrado, 139
    Bairro Florestal, Lajeado/RS
  • Telefone: 51 3710-1002
  • Celular: 51 99998-0432
  • Email: sorrisodovalelajeado@gmail.com
  • Website: www.clinicasorrisodovale.com.br